sicnot

Perfil

Mundo

Dilma anuncia extinção de oito ministérios e 30 secretarias nacionais

A Presidente brasileira Dilma Rousseff anunciou esta sexta-feira a extinção de oito dos 39 ministérios do país e de 30 secretarias nacionais, dentro de um plano de reforma política para ajudar a conter os gastos do Governo e combater a crise.

A Presidente brasileira também criou uma comissão permanente de reforma do Estado, para acompanhar as alterações, a venda de imóveis não utilizados e a revisão dos contratos de arrendamento e de setores administrativos.

A Presidente brasileira também criou uma comissão permanente de reforma do Estado, para acompanhar as alterações, a venda de imóveis não utilizados e a revisão dos contratos de arrendamento e de setores administrativos.

© Ueslei Marcelino / Reuters

O principal parceiro da coligação do Governo liderada pelo Partido dos Trabalhadores, o Partido do Movimento Democrático Nacional (PMDB) ampliou a sua influência e irá liderar sete ministérios, um mais do que antes desta reforma.

Rousseff também anunciou o corte de três mil cargos de nomeação política, a diminuição da remuneração dos ministros em 10%, a redução de 20% dos gastos com contratações de serviços e a diminuição de custos com deslocações aéreas, água, energia e telefone. (Corrige "a extinção dos 39 ministérios" para "a extinção de oito dos 39 ministérios)

A Presidente brasileira também criou uma comissão permanente de reforma do Estado, para acompanhar as alterações, a venda de imóveis não utilizados e a revisão dos contratos de arrendamento e de setores administrativos.

A redução de oito ministérios inclui a integração das antigas pastas da Pesca e da Agricultura, a fusão das antigas Secretarias de Política para as Mulheres, de Promoção da Igualdade Racial e da Secretaria de Direitos Humanos, e a junção da Secretaria Geral da Presidência, da Secretaria de Relações Institucionais e da Secretaria da Micro e Pequena Empresa, que agora formam a Secretaria de Governo.

A Secretaria de Assuntos Estratégicos foi extinta, o Ministério da Previdência Social foi absorvido pelo Ministério do Trabalho e o Gabinete de Segurança Institucional perdeu o estatuto ministerial.

O partido de Rousseff e de Luiz Inácio Lula da Silva, o Partido dos Trabalhadores (PT) ainda é o que comanda mais ministérios, com nove ao todo, incluindo a Casa Civil.

O Partido Trabalhista Brasileiro (PTB) tem dois ministérios e outros cinco partidos, um cada um.

No anúncio, Rousseff afirmou que a reforma é uma "ação legítima de um governo de coligação", procurando tornar a coligação de Governo mais equilibrada.

Além da extinção e da fusão de ministérios, a Presidente brasileira anunciou o nome de dez novos ministros que irão assumir os cargos. O até então ministro da Casa Civil, Aloizio Mercadante, do PT, perdeu poder e irá assumir o Ministério da Educação. Para o lugar dele entrou Jaques Wagner, também do PT, que era o titular da Defesa.

Também do PT, Ricardo Berzoini assume a Secretaria de Governo. No Ministério da Saúde, saiu Arthur Chioro (PT) e entrou o deputado federal Marcelo Castro, do PMDB.

Na Defesa, entrou Aldo Rebelo, do Partido Comunista do Brasil (PCdoB), ex-ministro da Ciência e Tecnologia, pasta agora assumida por Celso Pansera, do PMDB.

A Secretaria dos Portos ficou com Helder Barbalho (PMDB) e o Ministério das Comunicações com André Figueiredo, do Partido Democrático Trabalhista (PDT). Miguel Rossetto assume a pasta do Trabalho e Previdência e Nilma Lino Gomes, a das Mulheres, Igualdade Racial e Direitos Humanos.

Lusa

  • Marcelo saúda "forma rápida" como Conselho de Ministros "tratou de tudo"
    1:03

    País

    O Presidente da República lembra que é preciso convergência de forma a adotar rapidamente as medidas mais urgentes do plano de emergência. No concelho de Tábua, Marcelo Rebelo de Sousa destacou ainda os esforços do Conselho de Ministros, mas lembrou que as medidas anunciadas são apenas o início de um processo e não o fim.