sicnot

Perfil

Mundo

Dezanove mortos em ataque a hospital no Afeganistão

Dezanove mortos em ataque a hospital no Afeganistão

A Comissão Europeia já condenou o ataque aéreo norte-americano que atingiu o hospital dos Médicos sem Fronteiras, em Kunduz, no Afeganistão. O comandante que lidera as forças americanas pediu entretanto desculpas ao presidente afegão. O bombardeamento matou 12 membros dos Médicos Sem Fronteiras e sete doentes, três dos quais são crianças.

Num comunicado colocado na página na Internet da organização humanitária (www.doctorswithoutborders.org), os Médicos Sem Fronteiras (MSF) indicam que "12 membros do pessoal e pelo menos sete doentes, incluindo três crianças, morreram" e que "37 pessoas ficaram feridas, incluindo 19 membros do pessoal".

O anterior balanço era de 16 mortos, incluindo três crianças, e 37 feridos.

"Este ataque constitui uma violação grave da lei humanitária internacional", afirma o texto, acrescentando que "todas as indicações apontam para que o bombardeamento tenha sido efetuado por forças da coligação internacional" no Afeganistão.

"A MSF exige um relato completo e transparente da coligação relativamente à sua atividade aérea sobre Kunduz no sábado [hoje] de manhã. A MSF apela também para uma investigação independente do ataque para garantir a máxima transparência e responsabilização", lê-se.

"Não podemos aceitar que esta horrível perda de vidas seja simplesmente descartada como 'dano colateral'", afirmou Meinie Nicolai, presidente da organização, citada no texto.

Segundo a MSF, entre as 02:08 e as 03:15 locais (22:38 e 23:45 de sexta-feira em Lisboa), o hospital foi "atingido por uma série de ataques aéreos com intervalos de aproximadamente 15 minutos".

"O principal edifício do hospital, onde estão instalados a unidade de cuidados intensivos, o serviço de urgência e a ala de fisioterapia, foi repetidamente atingido com muita precisão em cada ataque aéreo, enquanto os edifícios em volta ficaram praticamente intocados", afirma.

"Quando conseguimos sair, o edifício principal estava envolto em chamas. Os que podiam, foram rapidamente para os dois 'bunkers' do edifício, mas os doentes que não conseguiram fugir morreram queimados nas suas camas", relatou Heman Nagarathnam, chefe de operações da MSF no norte do Afeganistão.

A organização sublinha, por outro lado, que além da perda de vidas, este ataque "vai privar a população de Kunduz de cuidados médicos de urgência, numa altura em que esses serviços são mais necessários".

Os talibãs tomaram na segunda-feira a cidade estratégica de Kunduz e, na quinta, as tropas afegãs anunciaram ter recuperado o controlo da cidade. No entanto, os confrontos continuam, com os dois lados a controlarem diferentes bairros de Kunduz.

No comunicado, a MSF diz que desde segunda-feira tratou 394 pessoas que entraram no hospital com ferimentos sofridos durante os confrontos.

  • Passos elogia escolha de Paulo Macedo mas diz que não é suficiente
    1:47

    Caso CGD

    Pedro Passos Coelho diz que Paulo Macedo é competente para liderar os destinos da Caixa Geral de Depósitos, mas que a nomeação do antigo ministro não é suficiente para passar uma esponja sobre o assunto. Em Viseu, o líder do PSD não quis ainda avançar com um nome para a Câmara de Lisboa, depois de Santana Lopes afastar a hipótese de se candidatar.

  • O impacto e as consequências do referendo em Itália
    1:02
  • O novo coala do zoo de Lisboa
    3:10

    País

    A SIC acompanhou em exclusivo a transferência de uma coala da Alemanha para o Zoo de Lisboa. O animal veio de avião e foi batizado pelos passageiros que seguiam a bordo. Ficou com o nome de Goolara. O coala é uma fêmea, com quase dois anos, e veio para aumentar a família da mesma espécie em Portugal.

  • Jovens do exército russo aderem ao Desafio do Manequim
    1:01

    Mundo

    Na Rússia, o grupo de jovens do exército também já aderiu ao famoso Mannequin Challenge. O vídeo foi divulgado pelo Ministério da Defesa russo. O objetivo é mostrar o dia-a-dia do chamado exército de jovens, cuja principal missão passa por sensibilizar os russos para a necessidade de cumprir o serviço militar obrigatório.