sicnot

Perfil

Mundo

Por que é que os elefantes têm uma maior resistência ao cancro?

O cancro é muito menos comum nos elefantes do que nos humanos, ainda que os corpos dos primeiros tenham muitas mais células. Agora, os investigadores acreditam ter encontrado uma explicação que, dizem, pode, um dia, proteger as pessoas desta doença.

Sue Ogrocki

Segundo noticia a NBC News, as células dos elefantes contêm 40 cópias de um gene maior do cancro-supressor chamadado p53, anunciam duas equipas de cientistas. Os humanos têm apenas duas - uma do pai e uma da mãe. Este gene ajuda a que células danificadas se consigam reparar sozinhas ou autodestruir quando expostas a substâncias que causam o cancro.

Os resultados não são a prova de que esses genes extra p53 tornam os elefantes resistentes à doença, mas se pesquisas futuras o confirmarem, os cientistas podem tentar desenvolver drogas para os humanos que imitem o efeito.

O Dr. Joshua Schiffman, especialista em cancro pediátrico na Universidade de Utah que liderou uma das equipas referidas anteriormente, começou a pesquisa depois de ouvir uma palestra sobre o "Paradoxo de Peto" que se referiu ao facto de animais grandes, incluindo os elefantes e as baleias, terem taxas de cancro comparativamente menores, apesar de terem muito mais células, do que espécies mais pequenas.

Schiffman e os colegas testaram como é que as células dos elefantes reagiram à radiação, comparativamente às de 10 humanos saudáveis e 10 pacientes com síndrome de Li-Fraumeni. As células dos animais autodestruíram-se com o dobro da rapidez das dos humanos saudáveis e com cinco vezes mais rapidez do que a dos pacientes com o síndrome. As que não se autorepararam ou autodestruíram quando expostas a substâncias cancerígenas tornam-se propensas a desenvolver a doença.

Enquanto a investigação não leva a um tratamento imediato para as pessoas, o progresso contra o cancro pode vir de "direções inesperadas", afirmou o Dr. Ted Gansler da Sociedade Americana de Cancro. O médico sublinhou, ainda, que os estudos de pálpebra e desenvolvimento dos dentes em ratos levaram à descoberta de medicamentos usados para o cancro do intestino, da garganta, e vários outros tipos da doença.

  • Primeiro-ministro holandês liga a Costa para explicar palavras de Dijsselbloem
    2:23

    País

    António Costa pediu que Djisselbloem desaparecesse da Presidência do Eurogrupo. Após esta tomada de posição, o primeiro-ministro holandês ligou para Costa na semana passada a dar explicações. Contudo, o primeiro-ministro português não recua e volta a dizer que Dijsselbloem não tem condições para continuar, na sequência das declarações sobre copos e mulheres. Os eurodeputados do Partido Popular Europeu reforçaram também esta terça-feira o pedido de demissão.

  • Surto de hepatite A em Portugal
    2:45

    País

    Há um surto de hepatite A em Portugal. Desde janeiro, 105 pessoas foram diagnosticadas na região de Lisboa e Vale do Tejo, um número superior aos casos contabilizados em todo o país nos últimos 40 anos. O surto terá começado na Holanda e está a atingir quase toda a Europa.

  • Abertura da lagoa de Santo André atrai surfistas e bodyboarders
    4:15
  • Novo vídeo do Daesh mostra crianças a treinar para matar
    3:35
  • Kennedy acreditava que Hitler estava vivo

    Mundo

    Um diário de John F. Kennedy vai a leilão em Boston, nos Estados Unidos da América. O diário foi escrito durante a sua breve carreira como jornalista, depois da 2.ª Guerra Mundial. No livro, foram expostas algumas teorias do antigo Presidente norte-americano, como a possibilidade de Hitler estar vivo.

    Ana Rute Carvalho

  • Trump propõe cortes orçamentais para pagar muro

    Mundo

    O Presidente dos Estados Unidos está a propor cortes de milhões de dólares no orçamento para que os contribuintes norte-americanos, e não o México, paguem o muro a construir na fronteira entre os dois países.

  • Tecnologia permite a tetraplégico mexer mão e braço

    Mundo

    Um homem que ficou tetraplégico num acidente voltou a mover-se com a ajuda da tecnologia e apenas usando o pensamento, num projeto de investigadores dos Estados Unidos divulgado esta terça-feira na revista especializada em medicina The Lancet.