sicnot

Perfil

Mundo

Cinco palestinianos mortos e 30 feridos por Israel na Faixa de Gaza

As forças militares israelitas mataram hoje cinco palestinianos e feriram outros 30 em confrontos registados em Jerusalém Leste e na Faixa de Gaza, indicaram fontes médicas.

© Ibraheem Abu Mustafa / Reuter

Os confrontos surgiram depois de o líder do Hamas em Gaza, Ismail Haniyeh, ter considerado que a violência que está a registar-se na Faixa de Gaza e em Jerusalém Leste é uma nova Intifada, ou sublevação, apelando a maior contestação contra a ocupação israelita.

Segundo as fontes, três jovens de 20 anos, um de 19 e outro de 15 foram mortos quando os soldados de Israel responderam a tiro contra jovens palestinianos que lhes atiravam pedras do lado israelita da fronteira na Faixa de Gaza.

Um porta-voz militar israelita justificou a resposta pelo facto de cerca de duas centenas de jovens palestinianos se terem aproximado da vedação que divide os dois territórios e que começaram a atirar pedras e fazendo rolar pneus em chamas.

"Os soldados no local responderam a tiro contra os principais instigadores para evitar que progredissem e dispersar os protestos", afirmou o porta-voz, que confirmou terem sido disparados cinco tiros, mas sem adiantar pormenores.

Recentemente, Ismail Haniyeh apelou ao reforço da Intifada, defendendo ser esse o único caminho que levará os palestinianos à "libertação" e que Gaza vai cumprir o seu papel, para o que está mais do que preparada".

O aumento dos confrontos na Faixa de Gaza, Jerusalém e até em Israel tem levantado receios de que estará em curso uma terceira Intifada, depois das registadas em 1987 e em 2000.

O movimento islâmico Hamas detém o poder em Gaza, um enclave entre o Egito e Israel e separado da Cisjordânia (Margem Ocidental do Rio Jordão) e que está profundamente dividido com as forças do presidente palestiniano, Mahmud Abbas, que lidera a fação da Fatah.

Lusa

  • Frio no fim de semana, regiões do interior podem chegar aos -5 °C
    1:23

    País

    A Proteção Civil emitiu um alerta para o tempo frio e seco e pede cuidados redobrados. As temperaturas já começaram a descer, com regiões a registarem valores negativos. No interior, podem chegar aos 5 graus negativos. Até ao Natal o tempo vai manter-se frio, seco e com ausência de chuva.

  • Bombeiro ferido nos fogos de Pedrógão Grande regressou a casa
    2:33

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Seis meses depois dos incêndios de Pedrógão Grande, regressou a casa o último dos bombeiros de Castanheira de Pera que estava internado desde junho. Rui Rosinha esteve em coma mais de dois meses e tem ainda pela frente uma longa recuperação. O bombeiro não quer que o país esqueça o que aconteceu e espera que as duas tragédias deste ano (fogos de junho e outubro) sirvam de lição para o futuro.

  • Pedrógão Grande, seis meses depois - documentário Expresso
    0:29
  • Fitch retira Portugal do "lixo"
    2:20
  • PS volta a subir nas intenções de voto e não baixa dos 40%
    2:01
  • Marcelo evita "ideia de que o ano foi todo muito bom"
    3:14

    País

    Marcelo Rebelo de Sousa disse esta sexta-feira que 2017 teve "o melhor e o pior" e que "é preciso evitar a "ideia que o ano foi todo muito bom". O Presidente da República fez estas declarações depois de António Costa ter dito que a nível económico este "foi um ano particularmente saboroso".