sicnot

Perfil

Mundo

Nobel da Literatura Orhan Pamuk critica Presidente turco e diz recear guerra civil

O escritor turco Orhan Pamuk, prémio Nobel da Literatura 2006, avisou hoje que a Turquia pode entrar em colapso e acusou o Presidente Recep Tayyip Erdogan de "calculismo" face aos curdos, dois dias após o atentado de Ancara.

© Murad Sezer / Reuters

"A derrota eleitoral [nas legislativas de junho] deixou Erdogan furioso (...)" e a população curda da Turquia "recusou conceder-lhe o seu voto para o seu projeto de República presidencial", considerou Pamuk, que atualmente se encontra em Nova Iorque, em entrevista ao diário italiano La Reppublica.

"Governo e exército decidiram recomeçar a guerra contra o movimento curdo", afirmou o autor de "Os Jardins da Memória " ou "Istambul, Memórias de uma Cidade".

"É a nação inteira que hoje compreende o cálculo de Erdogan", acrescentou. "Primeiro, porque não quis integrar a coligação que combate o califado islâmico. Depois, aceitou fazer o que lhe pediram os americanos. Mas ao mesmo tempo que o Califado [referência ao grupo Estado Islâmico, EI], também começou a bombardear os curdos".

Ao ser interrogado sobre a possibilidade uma guerra civil, disse "recear" essa possibilidade. "As ruas da minha cidade [Istambul], sobretudo na década de 1970, testemunharam um verdadeiro conflito entre militantes de esquerda e de direita. Todas as pessoas com mais de 35 anos têm memórias terríveis desse período e não querem que se repita".

A oposição pró-curda e de esquerda intensificou os ataques contra o Presidente turco, que acusa de ser responsável pelo atentado de sábado em Ancara, o mais mortífero da história da República da Turquia fundada em 1923, e que provocou pelo menos 97 mortos e mais de 200 feridos a três semanas de novas eleições legislativas antecipadas.

"A notícia do atentado [de Ancara] quebrou o meu coração. Reagi ao referir que todos os turcos liberais, os democratas, os laicos estão com os curdos e simpatizam com eles, porque esse povo quer a paz", declarou Pamuk.

"Um país em paz encontra-se subitamente em guerra, em simultâneo contra o califado islâmico e contra o PKK", os rebeldes curdos da Turquia, acrescentou.

A oposição acusa Erdogan de fomentar e agravar o conflito curdo na esperança de atrair o eleitorado nacionalista. Nas legislativas de 7 de junho os islamitas-conservadores do Partido da Justiça e Desenvolvimento (AKP), no poder, perderam a maioria absoluta que detinham desde 2002 -- em particular devido à importante votação no pró-curdo Partido Democrático dos Povos (HDP) -- e esfumando as esperanças de Erdogan de garantir alterações à Constituição para reforçar os seus poderes.

Lusa

  • "Cada drama, cada problema, cada testemunho, impressiona muito"
    1:55
  • Clínica veterinária em Tondela recebeu dezenas de animais feridos nos fogos
    2:57
  • Temperaturas sobem até ao final do mês
    1:09

    País

    O tempo não dá tréguas e, até ao final do mês, as temperaturas vão atingir valores acima do normal para esta época do ano. As temperaturas máximas vão subir entre os 25 e os 32 graus. O risco de incêndio aumenta a partir desta segunda-feira em todo o país e os meios aéreos, viaturas, operacionais e equipas de patrulha vão ser reforçados.

  • Maioria das praias do Algarve já não tem nadador-salvador
    2:19

    País

    A lei não obrigada os concessionários a garantir o serviço e, por isso, a esmagadora maioria das praias do Algarve está sem vigilância desde 30 de setembro. Ainda assim, os areais vão atraindo milhares de banhistas com as temperaturas altas que ainda se fazem sentir. Um nadador-salvador recomenda os banhistas a não nadar e, em dias de ondulação, evitar caminhadas à beira-mar.

  • Parlamento catalão vai responder à ativação do artigo 155
    1:54
  • A história por detrás da fotografia que correu (e impressionou) o Mundo

    Mundo

    Depois dos incêndios da semana passada na Galiza, começou a circular na internet e nas redes sociais a imagem de uma cadela que alegadamente levava a sua cria carbonizada na boca. Contudo, a cadela é na verdade macho e chama-se Jacki. Esta é a história do cão que passou os dias após os fogos a recolher animais mortos para os enterrar num campo perto de uma igreja, em Coruxo, Vigo.

    SIC

  • Quando o cão de Macron fez chichi no gabinete do Presidente francês
    0:31