sicnot

Perfil

Mundo

Nobel da Literatura Orhan Pamuk critica Presidente turco e diz recear guerra civil

O escritor turco Orhan Pamuk, prémio Nobel da Literatura 2006, avisou hoje que a Turquia pode entrar em colapso e acusou o Presidente Recep Tayyip Erdogan de "calculismo" face aos curdos, dois dias após o atentado de Ancara.

© Murad Sezer / Reuters

"A derrota eleitoral [nas legislativas de junho] deixou Erdogan furioso (...)" e a população curda da Turquia "recusou conceder-lhe o seu voto para o seu projeto de República presidencial", considerou Pamuk, que atualmente se encontra em Nova Iorque, em entrevista ao diário italiano La Reppublica.

"Governo e exército decidiram recomeçar a guerra contra o movimento curdo", afirmou o autor de "Os Jardins da Memória " ou "Istambul, Memórias de uma Cidade".

"É a nação inteira que hoje compreende o cálculo de Erdogan", acrescentou. "Primeiro, porque não quis integrar a coligação que combate o califado islâmico. Depois, aceitou fazer o que lhe pediram os americanos. Mas ao mesmo tempo que o Califado [referência ao grupo Estado Islâmico, EI], também começou a bombardear os curdos".

Ao ser interrogado sobre a possibilidade uma guerra civil, disse "recear" essa possibilidade. "As ruas da minha cidade [Istambul], sobretudo na década de 1970, testemunharam um verdadeiro conflito entre militantes de esquerda e de direita. Todas as pessoas com mais de 35 anos têm memórias terríveis desse período e não querem que se repita".

A oposição pró-curda e de esquerda intensificou os ataques contra o Presidente turco, que acusa de ser responsável pelo atentado de sábado em Ancara, o mais mortífero da história da República da Turquia fundada em 1923, e que provocou pelo menos 97 mortos e mais de 200 feridos a três semanas de novas eleições legislativas antecipadas.

"A notícia do atentado [de Ancara] quebrou o meu coração. Reagi ao referir que todos os turcos liberais, os democratas, os laicos estão com os curdos e simpatizam com eles, porque esse povo quer a paz", declarou Pamuk.

"Um país em paz encontra-se subitamente em guerra, em simultâneo contra o califado islâmico e contra o PKK", os rebeldes curdos da Turquia, acrescentou.

A oposição acusa Erdogan de fomentar e agravar o conflito curdo na esperança de atrair o eleitorado nacionalista. Nas legislativas de 7 de junho os islamitas-conservadores do Partido da Justiça e Desenvolvimento (AKP), no poder, perderam a maioria absoluta que detinham desde 2002 -- em particular devido à importante votação no pró-curdo Partido Democrático dos Povos (HDP) -- e esfumando as esperanças de Erdogan de garantir alterações à Constituição para reforçar os seus poderes.

Lusa

  • Luís Pina indiciado por quatro crimes de tentativa de homicídio
    1:41
  • Líderes europeus unidos para iniciar saída do Reino Unido
    2:08
  • 100 dias de Trump em 04'30''
    4:33

    Pequenas grandes histórias

    Donald Trump tomou posse como 45º Presidente dos EUA dia 20 de janeiro de 2017, faz este sábado, 100 dias. Prometeu grandes mudanças, mas os planos acabaram por chocar de frente com a realidade e a burocracia de Washington, como foi o caso do Obamacare. Foi a primeira ordem executiva que assinou, no dia em que tomou posse, mas a revogação está longe de acontecer.

  • A SIC visitou os bastidores do Santuário de Fátima
    7:43
  • Ministro "mais descansado" com relatório sobre Almaraz, ambientalistas contestam
    2:01

    País

    O ministro do Ambiente diz estar mais descansado depois de conhecer o relatório técnico que considera o armazém de resíduos nucleares em Almaraz uma solução adequada. Já as associações ambientalistas e os partidos criticam o parecer positivo à construção e querem ouvir os ministros do Ambiente e dos Negócios Estrangeiros no Parlamento.

  • Marcelo recebido por multidão na Ovibeja
    2:52