sicnot

Perfil

Mundo

Austrália vai reforçar leis antiterrorismo para travar jovens 'jihadistas'

O Governo australiano anunciou hoje a intenção de reforçar as leis antiterrorismo para apertar a vigilância de presumíveis 'jihadistas' adolescentes e evitar o seu recrutamento por parte de organizações extremistas.

MARK BAKER

A proposta de lei, que vai ser apresentada no próximo mês no parlamento, prevê a redução da idade para aplicar as ordens de controlo de 16 para 14 anos, apesar de limitar a atuação da polícia nos interrogatórios de menores.

"Infelizmente, o alcance do Estado Islâmico (EI) e os substitutos e agentes do EI na Austrália está a estender-se entre os jovens", afirmou o procurador-geral, George Brandis, à cadeia televisiva ABC.

A proposta é a quinta tranche de um pacote de leis antiterroristas que inclui o alargamento de poderes das agências de segurança ou medidas contra os australianos que viajam para o estrangeiro para combater junto de movimentos radicais como o EI.

Outra das leis, que entra hoje em vigor, obriga as empresas de telecomunicações a reter dados dos seus clientes durante dois anos.

Entretanto, o governo do estado australiano de Nova Gales do Sul propõe conceder mais poderes aos tribunais para reterem informação sensível relacionada com os suspeitos de terrorismo, e a detenção dos mesmos sem acusação até 28 dias.

As leis vigentes limitam o tempo de detenção a quatro horas, a menos que seja emitida uma ordem judicial para estender esse período até aos oito dias.

Lusa

  • Porque é que Melania e Ivanka vestiram preto para conhecer o Papa

    Mundo

    Melania e Ivanka chegaram ao Vaticano de preto, uma escolha muito questionada. De vestidos longos e véus, as mulheres Trump seguiram assim o dress code aconselhado nas audiências com o Papa. Também Michelle Obama usou uma vestimenta do género, em 2009, quando visitou Bento XVI.

  • Escola de Vagos castiga alunos por protesto contra a homofobia e preconceito

    País

    Os alunos da Escola Secundária de Vagos, no distrito de Aveiro, organizaram um protesto contra o que consideram homofobia e preconceito. Segunda-feira, depois de duas alunas se terem beijado foram chamadas à direção da escola, que as terá informado que não podiam beijar-se em público. O protesto foi gravado e partilhado nas redes sociais. Em declarações à SIC Notícias, um dos alunos disse que todos os envolvidos no protesto vão ser alvos de um processo disciplinar. O Bloco de Esquerda já pediu esclarecimentos ao Ministério da Educação.

    EXCLUSIVO

    Rita Pedras