sicnot

Perfil

Mundo

Austrália vai reforçar leis antiterrorismo para travar jovens 'jihadistas'

O Governo australiano anunciou hoje a intenção de reforçar as leis antiterrorismo para apertar a vigilância de presumíveis 'jihadistas' adolescentes e evitar o seu recrutamento por parte de organizações extremistas.

MARK BAKER

A proposta de lei, que vai ser apresentada no próximo mês no parlamento, prevê a redução da idade para aplicar as ordens de controlo de 16 para 14 anos, apesar de limitar a atuação da polícia nos interrogatórios de menores.

"Infelizmente, o alcance do Estado Islâmico (EI) e os substitutos e agentes do EI na Austrália está a estender-se entre os jovens", afirmou o procurador-geral, George Brandis, à cadeia televisiva ABC.

A proposta é a quinta tranche de um pacote de leis antiterroristas que inclui o alargamento de poderes das agências de segurança ou medidas contra os australianos que viajam para o estrangeiro para combater junto de movimentos radicais como o EI.

Outra das leis, que entra hoje em vigor, obriga as empresas de telecomunicações a reter dados dos seus clientes durante dois anos.

Entretanto, o governo do estado australiano de Nova Gales do Sul propõe conceder mais poderes aos tribunais para reterem informação sensível relacionada com os suspeitos de terrorismo, e a detenção dos mesmos sem acusação até 28 dias.

As leis vigentes limitam o tempo de detenção a quatro horas, a menos que seja emitida uma ordem judicial para estender esse período até aos oito dias.

Lusa

  • Marcelo promete entregar carta de menina com paralisia cerebral ao primeiro-ministro
    3:05

    País

    O Presidente da República está preocupado com os cuidadores dos cidadãos que precisam de cuidados paliativos. No Dia Internacional das Pessoas com Deficiência, que se assinalou este sábado, Marcelo Rebelo de Sousa visitou a Casa do Tejo, em Algés, onde três famílias de crianças com paralisia cerebral e outros problemas de saúde são recebidas em conjunto com os pais para que toda a famíla possa receber apoio de técnicos especializados. O Presidente recebeu uma carta de uma menina de 5 anos, com paralisia cerebral, e prometeu que a vai entregar ao primeiro-ministro, para que seja aberta uma porta legislativa mais larga para os problemas das pessoas deficientes.

  • O impacto e as consequências do referendo em Itália
    1:02