sicnot

Perfil

Mundo

Austrália vai reforçar leis antiterrorismo para travar jovens 'jihadistas'

O Governo australiano anunciou hoje a intenção de reforçar as leis antiterrorismo para apertar a vigilância de presumíveis 'jihadistas' adolescentes e evitar o seu recrutamento por parte de organizações extremistas.

MARK BAKER

A proposta de lei, que vai ser apresentada no próximo mês no parlamento, prevê a redução da idade para aplicar as ordens de controlo de 16 para 14 anos, apesar de limitar a atuação da polícia nos interrogatórios de menores.

"Infelizmente, o alcance do Estado Islâmico (EI) e os substitutos e agentes do EI na Austrália está a estender-se entre os jovens", afirmou o procurador-geral, George Brandis, à cadeia televisiva ABC.

A proposta é a quinta tranche de um pacote de leis antiterroristas que inclui o alargamento de poderes das agências de segurança ou medidas contra os australianos que viajam para o estrangeiro para combater junto de movimentos radicais como o EI.

Outra das leis, que entra hoje em vigor, obriga as empresas de telecomunicações a reter dados dos seus clientes durante dois anos.

Entretanto, o governo do estado australiano de Nova Gales do Sul propõe conceder mais poderes aos tribunais para reterem informação sensível relacionada com os suspeitos de terrorismo, e a detenção dos mesmos sem acusação até 28 dias.

As leis vigentes limitam o tempo de detenção a quatro horas, a menos que seja emitida uma ordem judicial para estender esse período até aos oito dias.

Lusa

  • Brinquedos tecnológicos para oferecer no Natal
    5:33
  • Aniversário de Marcelo passado nas comemorações dos 700 anos da Marinha
    1:45

    País

    O Presidente da República defende que é preciso continuar a investir na Armada, nas pessoas, nas capacidades e no apoio de retaguarda. No dia em que fez 69 anos, Marcelo Rebelo de Sousa esteve nas comemorações dos 700 da Marinha, onde sublinhou os sete séculos de conquistas e de combates navais.

  • Costa anuncia reunião sobre neutralidade carbónica em fevereiro
    2:03

    País

    O Presidente francês defende que é preciso ir mais longe e mais rápido na luta contra as alteração climáticas, numa resposta à decisão de Donald Trump de retirar os EUA do Acordo de Paris. Em fevereiro, será a vez de Portugal organizar uma reunião sobre energia e transportes.