sicnot

Perfil

Mundo

Juiz presidente angolano avisa que tribunal não pode ser pressionado por vigílias

O juiz presidente do Tribunal Provincial de Luanda rejeitou hoje a "pressão" sobre a Justiça angolana, através de vigílias e "eventos sociais", referindo-se à situação dos 15 ativistas detidos por suspeita de prepararem um golpe de Estado.

© SIPHIWE SIBEKO / Reuters

A posição transmitida pelo juiz Domingos Mesquita, que lidera o tribunal encarregue de decidir sobre este processo, surge numa altura em que se multiplicam, em Luanda, vigílias e outras ações pedindo a libertação dos jovens detidos preventivamente desde 20 de junho, mas também em solidariedade com dois destes, em greve de fome.

"O tribunal, não pode, de maneira alguma, ser pressionado com este tipo de atos sociais. Os juízes são independentes e devem obediência à lei e à sua livre consciência", afirmou o juiz presidente do Tribunal Provincial de Luanda.

"O juiz [do processo] não se pode sentir pressionado por esses atos sociais", disse ainda, em declarações emitidas hoje pela rádio pública angolana, referindo-se em concreto às vigílias diárias que desde quinta-feira decorrem em Luanda, nos últimos dois dias com a intervenção de fortes contingentes policiais, para a sua desmobilização.

Em causa está a situação de 15 jovens ativistas, com idades entre os 19 e os 33 anos, que desde 16 de setembro estão acusados pelo Ministério Público (MP) do crime de atos preparatórios para uma rebelião e para um atentado contra o Presidente da República, com barricadas nas ruas e desobediência civil que aprendiam num curso de formação.

Desde essa data que o processo está a cargo daquele tribunal, segundo o juiz presidente, tendo sido distribuído ao juiz da causa, que agora tem quatro meses para decidir se pronuncia (avança para a fase do julgamento) os arguidos.

"Já está introduzido no tribunal, as pessoas envolvidas no processo já foram devidamente notificadas da acusação, que é uma peça processual, que em princípio já premedita a responsabilidade criminal de cada um dos implicados", disse ainda o juiz Domingos Mesquita.

Entretanto, acusa a defesa dos jovens ativistas, desde 20 de setembro que se esgotou o prazo de prisão preventiva (90 dias), sem que tenha sido proferida uma nova decisão sobre medidas de coação.

"O juiz, quando pronunciar o processo - eventualmente -, sobre a situação carcerária dos réus, também se vai pronunciar", disse ainda o juiz presidente, reiterando que não há qualquer "abuso" em termos de prazos neste procedimento.

"Está a correr a sua tramitação normalmente, dentro dos parâmetros da lei", concluiu o juiz.

Além dos 15 detidos, o processo envolve mais duas jovens, que aguardam julgamento em liberdade.

Estão todos acusados da coautoria material de um crime de atos preparatórios para uma rebelião e para um atentado contra o Presidente da República, no âmbito desse curso de formação que decorria desde maio.

"Os arguidos planeavam, após a destituição dos órgãos de soberania legitimamente instituídos, formar o que denominaram Governo de Salvação Nacional' e elaborar uma 'nova Constituição'", lê-se na acusação, que a Lusa noticiou a 05 de outubro.

Lusa

  • "Não partilhei SMS com ninguém"
    0:43

    Caso CGD

    António Domingues afirma que nunca revelou o conteúdo das mensagens trocadas com o ministro das Finanças sobre a entrega das declarações de património ao Tribunal Constitucional. O tema dos SMS foi abordado pelo ex-presidente da Caixa na sequência de uma pergunta do PCP sobre declarações feitas por António lobo Xavier no programa da SIC Notícias "Quadratura do Círculo".

  • "As regras europeias de bem estar animal são dogmas", diz diretor-geral de Veterinária
    1:32

    País

    O diretor-geral de Alimentação e Veterinária considera que as regras de bem estar animal que existem na União Europeia (UE) "parecem configurar uma transfiguração antropomórfica dos animais". Em declarações à SIC, a propósito da exportação de animais vivos para países terceiros, que têm outras regras de abate, Fernando Bernardo defendeu ainda que o método usado em Israel provoca uma insensibilização mais rápida do que o praticada na UE.

  • PAN questiona Governo sobre aposta na exportação de animais vivos para o Médio Oriente
    1:56

    País

    O partido Pessoas-Animais-Natureza lembra que à luz do Regulamento nº. 1/2005 do Conselho Europeu, os estados-membros da União Europeia (UE) devem evitar transportar animais vivos em viagens de longo curso. O deputado André Silva considera, por isso, que "o Estado português está a incumprir o regulamento" ao fomentar estas viagens, numa clara aposta económica em torno da exportação de animais vivos para Israel e outros destinos fora da UE. Para o deputado do PAN, é muito difícil ou "mesmo impossível assegurar o bem estar dos animais" em viagens de vários dias.

  • Trump pensou que presidência "seria mais fácil"

    Mundo

    O Presidente dos Estados Unidos Donald Trump afirmou que a Presidência é mais difícil do que pensava e que tem saudades da vida que levava antes, em entrevistas a propósito dos primeiros 100 dias em funções.