sicnot

Perfil

Mundo

Estados Unidos e Rússia realizam hoje terceiro encontro sobre Síria

Os Estados Unidos e a Rússia retomam hoje os contactos militares para evitar colisões involuntárias na Síria, onde ambos os países estão a realizar bombardeamentos, informou o Pentágono.

© Kevin Lamarque / Reuters

O porta-voz do Pentágono, Peter Cook, afirmou, em comunicado, que "funcionários da Defesa vão realizar a sua terceira vídeo-conferência com funcionários do ministério da Defesa russo".

"O enfoque das conversações vão ser protocolos específicos para os pilotos que voam sobre a Síria", explicou Cook, acrescentando que ainda não foi determinado o procedimento a seguir.

No passado fim de semana, Washington e Moscovo realizaram um segundo encontro para determinar que procedimentos ou frequências de rádio devem ser usados para evitar mal entendidos e possíveis colisões não desejadas sobre o espaço aéreo sírio.

Os Estados Unidos lideram há mais de um ano a coligação internacional para bombardear posições do grupo extremista Estado Islâmico, que se aproveitou do vazio de poder na Síria para ocupar grandes extensões do território do país e no vizinho Iraque.

A Rússia começou recentemente a bombardear posições na Síria do Estado Islâmico e de outras forças opositoras ao regime de Bashar al Assad, Presidente da Síria.

Lusa

  • O primeiro dia de Donald Trump na Casa Branca
    3:05
  • Advogados de Sócrates queixam-se de bullying processual e mediático
    2:13

    Operação Marquês

    Os advogados de José Sócrates queixam-se de bullying processual e mediático e garantem que o antigo primeiro-ministro nunca favoreceu Ricardo Salgado ou o Grupo Espirito Santo. Segundo o Expresso, o presidente da Escom, Helder Bataglia, terá admitido que Ricardo Salgado utilizou uma conta bancária do empresário, na Suíça, para passar 12 milhões de euros a Carlos Santos Silva, alegadamente para o amigo José Sócrates.

  • Marine Le Pen diz que Brexit terá efeito dominó na UE
    0:39

    Brexit

    Marine Le Pen diz que o Brexit vai ter um efeito dominó na União Europeia. Durante um congresso da extrema-direita, a líder da Frente Nacional francesa afirmou que a Europa vai despertar este ano em que estão marcadas eleições em vários países, como a Alemanha e a Holanda.