sicnot

Perfil

Mundo

Angola acusa entidades estrangeiras de querem provocar o caos e a desordem

O governo angolano diz que há entidades estrangeiras a incentivar o caos e a desordem no país. Sem especificar quais são essas entidades, o vice-presidente angolano, Manuel Vicente, diz que elas querem provocar "a queda dos partidos políticos com que não simpatizam".

O vice-presidente angolano Manuel Vicente

O vice-presidente angolano Manuel Vicente

© Carlo Allegri / Reuters

As declarações de Manuel Vicente foram proferidas durante o habitual discurso à Nação, na abertura do Parlamento, que pela primeira vez, foi feito pelo presidente José Eduardo dos Santos.

O vice-presidente destacou também um empréstimo concedido a Angola pela China no valor de cinco mil e 200 milhões de euros.

Manuel Vicente disse ainda que as previsões do governo apontam não para uma recessão mas antes para um crescimento de quatro por cento da economia.

Recorde-se que a crise petrolífera que se faz sentir no país está a pôr em risco inúmeras empresas portuguesas para as quais Angola é um dos maiores mercados externos.

  • Fogo em Setúbal dominado
    2:31

    País

    O incêndio que deflagrou na terça-feira em Setúbal está dominado. As chamas chegaram a ameaçar as casas, o que obrigou à retirada de cerca de 500 pessoas das habitações, como medida de precaução. Também o Hotel do Sado teve de ser evacuado.

  • "Lancei um tema que os portugueses há muito queriam discutir"
    11:26
  • Danos Colaterais 
    18:55
    Reportagem Especial

    Reportagem Especial

    Jornal da Noite

    Nos últimos oito anos a banca perdeu 12 mil profissionais. A dimensão de despedimentos no setor é a segunda maior da economia portuguesa, só ultrapassada pela construção civil. A etapa mais complexa da história começou em 2008, com a nacionalização do BPN. Desde então, as saídas têm sido a regra. A reportagem especial desta terça-feira, "Danos Colaterais", dá voz aos despedidos da banca.