sicnot

Perfil

Mundo

Ex-candidato presidencial Manuel Rosales preso à chegada à Venezuela

O ex-candidato presidencial da Venezuela Manuel Rosales, que fugiu para o exílio depois de ter sido acusado de corrupção em 2009, foi preso no aeroporto de Maracaibo quando regressava de Aruba, anunciaram hoje as autoridades.

© Edgard Garrido / Reuters

Rosales "foi detido hoje por funcionários do Serviço Bolivariano de Inteligência Nacional (Sebin) no aeroporto internacional La Chinita, quando chegou de um voo procedente de Aruba", informaram as autoridades em comunicado, sublinhando que o ex-candidato será presente a um tribunal de Caracas nas próximas horas.

O jornal El Universal relata, na sua edição online, que o fundador do partido Um Novo Tempo (UNT) tinha publicado uma fotografia numa rede social, onde aparecia com o bilhete de avião na mão antes de embarcar, o que terá levado a polícia venezuelana a esperar o ex-candidato no aeroporto da cidade de Maracaibo.

Lusa

  • Atropelamento em Copacabana fere 15 e mata bebé de 18 meses
    1:13

    Mundo

    Pelo menos uma pessoa morreu e 15 ficaram feridas num atropelamento na praia de Copacabana, no Rio de Janeiro, no Brasil. O condutor, um homem de 41 anos, diz ter perdido o controlo do carro, invadiu a calçada, percorreu 15 metros e só parou no areal de uma das zonas mais turísticas do Brasil. A polícia militar confirmou, entretanto, em comunicado que não há qualquer indício de que se tenha tratado de um ataque terrorista e avançou que o condutor sofreu um ataque de epilepsia.

  • A casa dos horrores
    7:57
  • PGR e presidente do Supremo deixam recado à ministra da Justiça
    2:45
  • Rui Rio tem sentido "alguma turbulência" no PSD
    2:01

    País

    Rui Rio e Pedro Passos Coelho tiveram esta quinta-feira a primeira reunião, desde que foi eleito o novo líder do PSD. À saída, Passos Coelho desejou que esta transição decorra com naturalidade. Já Rui Rio disse que tem sentido alguma turbulência no partido.

  • Sindicatos rejeitam fim das baixas médicas até três dias
    2:02

    País

    A CGTP quer levar o tema das baixas médicas à Concertação Social, já a UGT diz que há outras matérias prioritárias. Ainda assim as duas centrais sindicais lembram que a não justificação de faltas pode dar origem a um despedimento por justa causa. Esta quinta-feira o bastonário da Ordem dos Médicos propôs ao Governo que acabe com as baixas de curta duração, até três dias.

  • Papa interrompe percurso no Chile para ajudar polícia
    0:21
  • "Mundo à Vista" no Gana
    7:38