sicnot

Perfil

Mundo

Referendo da Catalunha obriga Artur Mas a ser ouvido hoje na justiça

O presidente do Governo regional catalão, Artur Mas, é ouvido hoje no Tribunal Superior de Justiça da Catalunha por alegado delito de "desobediência" devido à realização de um "referendo" sobre a independência da região a 09 de novembro último.

Reuters

A consulta popular realizou-se na Catalunha a 09 de novembro, cinco dias depois de o Tribunal Constitucional espanhol o ter proibido.

O Tribunal Superior de Justiça da Catalunha convocou o presidente da Generalitat para prestar esclarecimentos sobre o envolvimento do governo regional na realização da consulta, na qual 80% dos cerca de 2,5 milhões de catalães que participaram disseram "Sim" a uma Catalunha independente.

Artur Mas, que considera que a justiça catalã e espanhola o está a perseguir politicamente na sequência das últimas eleições regionais, alega que o Governo regional cessou o seu envolvimento na consulta logo após a decisão do Tribunal Constitucional, a 04 de novembro, tendo o "referendo" sido organizado por "voluntários".

Apesar das queixas dos juízes catalães têm sido várias as manifestações de apoio de cidadãos e políticos catalães - incluindo de membros do atual governo regional - em frente ao Palácio da Justiça em Barcelona.

Os juízes consideram os protestos "uma forma de pressão" sobre a independência dos magistrados, destinada a "influenciar a sua decisão".

Hoje os protestos previstos serão ainda maiores do que nas audições de Irene Rigau, ex-conselheira de Educação da Generalitat, e de Joana Ortega, ex-vice-presidente do governo regional.

Mais de 400 dos 967 autarcas da Catalunha já confirmaram a sua presença no protesto em frente do Tribunal, em sinal de apoio a Artur Mas. Os autarcas juntam-se assim aos membros do Governo regional e líderes partidários de formações independentistas, que contrataram autocarros para levar cidadãos até às portas do tribunal onde Mas será ouvido, cerca das 10:00 (09:00 em Lisboa).

A Associação Catalã de Municípios e a Associação de Municípios pela Independência também convocaram atos de protesto em Barcelona ao longo de toda a manhã.

A partir das 08:30 autarcas e deputados concentram-se em frente ao parlamento catalão, de onde vão marchar até à sede do Tribunal, no Paseo Lluis Companys.

A data da presença de Artur Mas em tribunal coincide precisamente com os 75 anos do fuzilamento do antigo presidente da Generalitat Lluis Companys pelo regime do General Franco, um acontecimento - assinalado todos os anos em Barcelona - e que, este ano, tem sido utilizado politicamente pelos apoiantes do atual presidente catalão.

Além do protesto dos presidentes de câmara, a Assembleia Nacional Catalã (ANC) e a Omnium Cultural também organizaram vários autocarros para transportar cidadãos de várias localidades da Catalunha para as manifestações em Barcelona.

No final de todo o processo, Artur Mas poderá vir a ser condenado pelos crimes de "desobediência grave", "prevaricação", "uso indevido de fundos públicos" e "usurpação de funções" devido ao "referendo" de 09 de novembro.

Lusa

  • Governo quer aumentar fiscalização a baixas fraudulentas
    1:10

    País

    O Governo quer criar uma bolsa de médicos para fiscalizar quem recebe o subsídio por doença. A intenção foi manifestada à TSF pela secretária de Estado da Segurança Social. Em 2016 foram detetados mais de 56 mil trabalhadores com baixa médica que afinal estavam aptos para trabalhar.

  • Novo motim em prisão brasileira do Rio Grande do Norte

    Mundo

    Um motim ocorreu esta segunda-feira de madrugada numa prisão do estado brasileiro de Rio Grande do Norte, sem fazer feridos ou mortos, depois de uma rebelião numa outra prisão do mesmo estado ter feito 26 mortos no fim de semana.

  • Cheias e derrocadas destroem várias casas no Peru
    0:42

    Mundo

    Um deslizamento de terras seguido de uma inundação destruiu várias casas no Peru. As imagens mostram o momento em que o deslizamento acontece e o caos que se gerou. O trânsito ficou cortado e as inundações que se seguiram obrigaram várias pessoas a abandonar as suas habitações.