sicnot

Perfil

Mundo

Passagem do tufão Koppu pelas Filipinas faz 22 mortos

Chuvas intensas continuam a cair nas Filipinas, inundando campos agrícolas e zonas montanhosas do norte, causadas pela passagem do tufão Koppu, que matou pelo menos 22 pessoas no país.

© Romeo Ranoco / Reuters

O Koppu perdeu força e tornou-se uma tempestade tropical, movendo-se para o Mar do Sul da China hoje de manhã, mas chuvas intensas continuam a fazer-se sentir no norte das Filipinas, onde milhares de pessoas ficaram sem casa.

"As águas subiram muito rapidamente, mas felizmente fomos salvos", disse à AFP Lourdes Gatmaitan, de 64 anos, depois de ter dormido num campo de basquetebol usado como centro de evacuação em Cabanatuan, uma cidade a cerca de três horas de Manila.

O Koppu, a segunda tempestade mais forte a atingir as Filipinas este ano, afetou cerca de 300 mil pessoas na ilha de Luzon, informou a agência oficial de gestão de desastres.

Pelo menos 22 pessoas morreram devido às cheias, deslizamentos de terras, acidentes de barco e projeção de destroços.

Nas principais regiões agrícolas, o nível das águas chegou a subir até aos telhados. Hoje, mais de 200 localidades ficaram inundadas, algumas debaixo de um metro de água, de acordo com as autoridades locais.

Lusa

  • BE acusa direita de bloquear atual comissão à CGD
    1:37

    Caso CGD

    O Bloco de Esquerda acusa a oposição de estar a fazer tudo para impedir as conclusões da comissão de inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos que está em curso. Numa altura em que PSD e CDS já entregaram o requerimento para avançar com uma segunda comissão, Catarina Martins defende que ainda há muita coisa por apurar sobre o processo de recapitalização do banco público.

  • Visita de Costa a Angola pode estar em risco
    2:26

    País

    A visita de António Costa a Luanda poderá estar em risco devido à acusação da justiça portuguesa contra o vice-Presidente de Angola. O jornal Expresso avança que o comunicado com a reação dura do Governo angolano é apenas o primeiro passo e que pode até estar a ser preparado um conjunto de medidas contra Portugal. Para já, o primeiro-ministro português desvaloriza a ameaça e mantém a visita marcada para a primavera.