sicnot

Perfil

Mundo

Identificado fragmento de proteína no café com efeitos semelhantes à morfina

Investigadores brasileiros identificaram um fragmento de proteína no café com efeito analgésico mais forte e mais duradouro que a morfina, usada no tratamento da dor crónica, anunciou hoje a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa).

Rick Bowmer

A descoberta foi descrita numa tese de doutoramento do biólogo molecular brasileiro Felipe Vinechy, que anunciou a existência nos grãos de café de sete diferentes partículas de proteínas, que possuem propriedades analgésicas e ansiolíticas idênticas às da morfina.

O trabalho de fim de curso do biólogo molecular foi desenvolvido no quadro de um projeto integrado da Embrapa, empresa vinculada ao Ministério brasileiro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, e a Universidade de Brasília.

Ambas entidades já solicitaram as patentes sobre as sete diferentes partículas de proteínas isoladas, assegurou em nota a Embrapa que, em 2004, criou um banco de dados com a descrição completa do genoma do café que inclui 200 mil sequências genéticas, 30 mil das quais já identificadas, e que agora contribuíram para a nova descoberta.

Lusa

  • Aeroporto Cristiano Ronaldo? Nem todos os madeirenses estão de acordo
    2:21
  • Fatura da água a dobrar
    2:26

    Economia

    Desde o início do ano que a população de Celorico de Basto está a receber duas faturas da água para pagar. Tanto a Câmara como a Águas do Norte reclamam o direito a cobrar pelo serviço. Contactada pela SIC, a Entidade Reguladora esclarece que o município não pode emitir faturas e tem de devolver o dinheiro.

  • Vala comum com 6 mil corpos em Mossul
    1:43

    Daesh

    Há suspeitas de que o Daesh tenha criado uma vala comum com cerca de seis mil corpos a sul de Mossul, no Iraque. A área em redor estará minada. A revelação é de uma equipa de reportagem da televisão britânica Sky News.

  • A menina que os pais queriam chamar "Allah"

    Mundo

    ZalyKha Graceful Lorraina Allah tem 22 meses, anda não sabe ler nem escrever mas já está no centro de um processo judicial contra o Estado da Georgia, nos EUA. Os pais, Elizabeth Handy e Bilal Walk, apoiados por uma ONG, exigem na justiça que o nome seja reconhecido na certidão de nascimento para que a criança possa ser inscrita na escola, na segurança social ou nos registos e notoriado. O casal já tem um filho de 3 anos que se chama Masterful Mosirah Aly Allah.