sicnot

Perfil

Mundo

Regime de al-Assad e oposição contribuem para destruição da herança cultural síria

O Estado Islâmico não é o único grupo que tem destruído o património cultural da Síria, revela um novo estudo norte-americano, hoje publicado. O regime sírio e forças da oposição também têm um papel relevante na destruição, de acordo com o estudo liderado por um especialista em arqueologia do Médio Oriente da Universidade de Dartmouth.

EPA/ Arquivo

EPA/ Arquivo

YOUSSEF BADAWI / EPA

As conclusões deste estudo, publicadas na revista Near Eastern Archaeology, baseiam-se na análise de imagens satélite de 1.300 dos 8.000 locais de valor arqueológico da Síria.

A atenção da comunicação social "gerou a ideia errada de que o Estado Islâmico é o principal culpado no que toca a pilhagens", disse Jesse Casana, professor em Dartmouth.

"Utilizando imagens de satélite, a nossa investigação mostrou que o saque é, na verdade, muito comum em todas as partes da Síria", apontou.

A investigação concluiu que mais de 26% dos locais que apresentavam sinais de pilhagem estavam em zonas controladas por curdos ou outros grupos da oposição.

Cerca de 21% dos locais que foram alvo de saque estavam em zonas sob o controlo do Estado Islâmico e 16,5% em áreas ocupadas pelo regime sírio.

Lusa

  • Um retrato devastador do "pior dia do ano"
    2:47
  • Um olhar sobre a tragédia através das redes sociais
    3:22
  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18