sicnot

Perfil

Mundo

Luso-angolano Luaty Beirão mantém greve de fome e estado de saúde é de alerta

O estado de saúde do ativista luso-angolano Luaty Beirão, um dos 15 jovens ativistas detidos desde junho e em greve de fome há 32 dias é de alerta, segundo informação médica.

Em declarações à agência Lusa, Mónica Almeida, mulher de Luaty Beirão, disse que é estável o seu estado de saúde, mas é de alerta.

Segundo Mónica Almeida, "não é diferente" dos outros dias, hoje o estado de Luaty Beirão, mas segundo o seu médico "a qualquer momento pode acontecer alguma coisa".

"Algo que pode não ser reversível", referiu Mónica Almeida, confirmando que o também músico e engenheiro, de 33 anos, mantém a greve de fome.

O ativista recebeu hoje a visita do embaixador de Portugal em Angola, João da Câmara, e, segundo uma nota do Ministério dos Negócios Estrangeiros de Portugal, Luaty Beirão estava "lúcido e a discorrer com clareza" durante a conversa.

"O embaixador de Portugal em Luanda pôde testemunhar que Luaty Beirão estava lúcido e a discorre com clareza, e tanto, quanto é possível aferir numa visita, a ser bem acompanhado em termos médicos", referia a nota.

Luaty Beirão integra a lista de um grupo de 15 jovens detidos desde o passado dia 20 de junho, acusados formalmente, desde setembro, de prepararem uma rebelião e um atentado contra o Presidente, mas sem que haja uma decisão do tribunal de Luanda sobre a prorrogação da prisão preventiva em que se encontram.

Para denunciar a ilegalidade, Luaty Beirão iniciou a greve de fome, que decidiu continuar mesmo depois de marcado o julgamento para os dias entre 16 e 23 de novembro.

O ativista luso-angolano é um dos rostos mais visíveis da contestação ao regime angolano e já chegou a ser preso pela polícia em manifestações de protesto.

É filho de João Beirão, já falecido, que foi fundador e primeiro presidente da Fundação Eduardo dos Santos (FESA), entre outras funções públicas, sendo descrito por várias fontes como tendo sido sempre muito próximo do Chefe de Estado.

Lusa

  • Troika nem sempre protegeu os mais vulneráveis, conclui avaliação do FMI

    Economia

    O organismo de avaliação independente do FMI concluiu que as medidas aplicadas pela troika em Portugal nem sempre protegeram as pessoas com menos rendimentos, apontando que a primeira preocupação do Fundo era a redução dos défices, apurou o gabinete independente de avaliação do Fundo Monetário Internacional (FMI),

  • "A maioria das pessoas que criticou André Ventura nunca viveu esses problemas"
    3:43

    Opinião

    A polémica em torno das declarações do candidato do PSD à Câmara de Loures, André Ventura, sobre o modo de vida da etnia cigana no concelho, esteve em análise no Jornal da Noite desta segunda-feira. Miguel Sousa Tavares defende que "os problemas existem mas não podem ser generalizados". O comentador SIC considera, ainda assim, que André Ventura tem razão quando diz que "a maioria das pessoas que o criticou nunca viveu esses problemas".

    Miguel Sousa Tavares