sicnot

Perfil

Mundo

Potências ocidentais solicitam à ONU que investigue teste de míssil pelo Irão

EUA, França, Alemanha e Reino Unido solicitaram na quarta-feira ao comité de sanções da Organização das Nações Unidas (ONU) que investigue um ensaio recente de um míssil pelo Irão.

Desde o início do conflito no leste da Ucrânia, que a Rússia tem intensificado vários treinos e teste com armamento nuclear.

Desde o início do conflito no leste da Ucrânia, que a Rússia tem intensificado vários treinos e teste com armamento nuclear.

Estes Estados consideram que o ensaio foi feito em violação de uma resolução da ONU e o assunto foi discutido na quarta-feira, por iniciativa dos norte-americanos, no Conselho de Segurança, à porta fechada.

O comité, que possui peritos, deverá determinar se o Irão violou a resolução 1929 do Conselho de Segurança, que data de 2010.

Em carta que acompanhou um relatório e difundida aos membros do Conselho, aqueles quatro Estados denunciam "uma grave violação do parágrafo 9" da resolução. No texto solicitam ao comité que investigue e "aja de maneira apropriada em resposta" a esta violação.

Fontes diplomáticas admitem porém que novas sanções da ONU sejam pouco prováveis, dado o histórico acordo nuclear concluído em julho entre o Irão e as potências do Conselho de Segurança, mais a Alemanha.

Para sancionar Teeraão seria também preciso o acordo de Moscovo e Pequim, que, enquanto membros do Conselho de Segurança, podem bloquear qualquer decisão através do seu direito de veto.

Washington deseja que o comité investigue e se pronuncie "rapidamente", disse a embaixadora dos EUA, Samantha Power, qualificando o teste iraniano de "provocador" e "um problema grave que prejudica a estabilidade regional".

A resolução 1929, e em particular o seu parágrafo 9, interdita a Terão a realização de atividades ligadas aos mísseis balísticos com capacidade de transporte de armas nucleares, incluindo os disparos feitos com recurso à tecnologia dos mísseis balísticos.

O Irão anunciou em 11 de outubro o teste de um novo míssil, sem contudo especificar o seu alcance exato.

Na carta dos quatro Estados, a que a agência noticiosa AFP teve acesso, é afirmado que se trata mesmo de um míssil balístico na ótica da resolução 1929, "capaz, pela sua conceção, de transportar uma arma nuclear".

Teerão afirma, pelo contrário, que os seus mísseis balísticos não são concebidos para transportar armas nucleares, pelo que não ficam sob alçada de qualquer resolução da ONU.

Lusa

  • Artista que criou poster de Obama quer invadir EUA com símbolos de esperança

    Mundo

    Shepard Fairey - o artista por trás do tão conhecido cartaz vermelho e azul "Hope" de Barack Obama, durante a campanha eleitoral de 2008 nos EUA - produziu uma série de novas imagens a tempo da tomada de posse de Donald Trump, na sexta-feira. Agora, o artista e a sua equipa querem manifestar uma posição política com a campanha "We The People", contra as ideias que o Presidente eleito tem defendido.

  • Trabalhadores da saúde iniciam greve nacional

    País

    Trabalhadores da saúde estão esta sexta-feira a cumprir uma greve a nível nacional para reivindicar a admissão de novos profissionais, exigir a criação de carreiras e a aplicação das 35 horas semanais a todos os funcionários do setor.

  • Portugal a tremer de frio
    3:07

    País

    Portugal continua a registar temperaturas negativas, sobretudo no Norte do país. Em Trás-os-Montes, por exemplo, marcaram mínimas de 11 graus abaixo de zero e os termómetros desceram tanto que congelaram rios, canalizações de água e até aquecimentos de escolas. Mas nem tudo é mau pois os produtores falam em boa época para curar fumeiro.

  • Juiz brasileiro morto em acidente aéreo investigava corrupção na Petrobras
    1:28
  • Zoo da Indonésia acusado de querer matar ursos à fome

    Mundo

    Um grupo de ativistas da Indonésia acusa o Jardim Zoológico de Bandung de estar a matar à fome os seus animais, incluindo os ursos-do-sol, para ser fechado. Um vídeo recentemente publicado mostra os ursos, que aparecem muito magros e a implorar por comida.

  • Podem as plantas ver, ouvir e até reagir?

    Mundo

    Um professor de Ciências Vegetais da Universidade de Missouri, nos Estados Unidos, passou quatro décadas a investigar as relações entre vegetais e insetos. Na visão de Jack Schultz, as plantas são "como animais muito lentos", que conseguem ver, ouvir, cheirar e até têm comportamentos próprios.