sicnot

Perfil

Mundo

Potências ocidentais solicitam à ONU que investigue teste de míssil pelo Irão

EUA, França, Alemanha e Reino Unido solicitaram na quarta-feira ao comité de sanções da Organização das Nações Unidas (ONU) que investigue um ensaio recente de um míssil pelo Irão.

Desde o início do conflito no leste da Ucrânia, que a Rússia tem intensificado vários treinos e teste com armamento nuclear.

Desde o início do conflito no leste da Ucrânia, que a Rússia tem intensificado vários treinos e teste com armamento nuclear.

Estes Estados consideram que o ensaio foi feito em violação de uma resolução da ONU e o assunto foi discutido na quarta-feira, por iniciativa dos norte-americanos, no Conselho de Segurança, à porta fechada.

O comité, que possui peritos, deverá determinar se o Irão violou a resolução 1929 do Conselho de Segurança, que data de 2010.

Em carta que acompanhou um relatório e difundida aos membros do Conselho, aqueles quatro Estados denunciam "uma grave violação do parágrafo 9" da resolução. No texto solicitam ao comité que investigue e "aja de maneira apropriada em resposta" a esta violação.

Fontes diplomáticas admitem porém que novas sanções da ONU sejam pouco prováveis, dado o histórico acordo nuclear concluído em julho entre o Irão e as potências do Conselho de Segurança, mais a Alemanha.

Para sancionar Teeraão seria também preciso o acordo de Moscovo e Pequim, que, enquanto membros do Conselho de Segurança, podem bloquear qualquer decisão através do seu direito de veto.

Washington deseja que o comité investigue e se pronuncie "rapidamente", disse a embaixadora dos EUA, Samantha Power, qualificando o teste iraniano de "provocador" e "um problema grave que prejudica a estabilidade regional".

A resolução 1929, e em particular o seu parágrafo 9, interdita a Terão a realização de atividades ligadas aos mísseis balísticos com capacidade de transporte de armas nucleares, incluindo os disparos feitos com recurso à tecnologia dos mísseis balísticos.

O Irão anunciou em 11 de outubro o teste de um novo míssil, sem contudo especificar o seu alcance exato.

Na carta dos quatro Estados, a que a agência noticiosa AFP teve acesso, é afirmado que se trata mesmo de um míssil balístico na ótica da resolução 1929, "capaz, pela sua conceção, de transportar uma arma nuclear".

Teerão afirma, pelo contrário, que os seus mísseis balísticos não são concebidos para transportar armas nucleares, pelo que não ficam sob alçada de qualquer resolução da ONU.

Lusa

  • Os apelos de Marcelo para a reforma do Estado
    1:36

    País

    O Presidente da República lamentou este sábado que o consenso para uma reforma do Estado seja um sonho adiado. No enceramento do congresso "Portugal no Futuro", Marcelo Rebelo de Sousa apelou a entendimentos em áreas estratégicas e defendeu que é preciso passar as palavras à ação, o quanto antes.

    Débora Henriques

  • Tragédia de Vila Nova da Rainha foi há uma semana
    7:18
  • Escutas da Operação Marquês "não podem servir de prova"
    1:36

    Operação Marquês

    As defesas de José Sócrates e de Ricardo Salgado queixam-se que as escutas do processo Marquês estão infetadas por um vírus informático. Os advogados dizem que tal como estão as escutas não podem servir de prova. No entanto, o Ministério Público diz que estão reunidas as condições para começar a contar o prazo para a abertura de instrução.

    Luís Garriapa

  • Saco azul do BES pagou a 106 pessoas e 96 avenças ocultas
    2:21

    Economia

    Pelo menos 106 pessoas receberam dinheiro da Espírito Santo Enterprises, a companhia offshore criada nas Ilhas Virgens Britânicas e que terá funcionado como um gigantesco saco azul do Grupo Espírito Santo. O jornal Expresso revelou os primeiros vinte nomes da lista, entre os quais estão Zeinal Bava, antigo CEO da PT, e Manuel Pinho, ex-ministro da economia do Governo de José Sócrates.

  • Doze meses de polémicas, ameaças e promessas
    3:52