sicnot

Perfil

Mundo

Saudita decapitado, 137ª execução no reino desde o início de 2015

Um saudita condenado à morte sob a acusação de assassínio foi hoje decapitado com espada na região de Riade, elevando para 137 o número de pessoas executadas em 2015 na Arábia Saudita.

Um comunicado do ministério do Interior publicado pela agência oficial SPA indica que Mohamed Ben Turki al-Qahtani foi considerado culpado pela morte do seu compatriota Khaled Ben Fahd al-Qahtani, atingido a tiro na sequência de um diferendo.

Uma estimativa da agência noticiosa AFP, baseada nos comunicados oficiais, indica que a decapitação hoje registada foi a 137.ª concretizada no reino desde o início de 2015.

Este balanço ultrapassa largamente o total de execuções durante todo o ano de 2014, quando 87 sauditas e estrangeiros foram executados.

Morte, violação, assalto à mão amada, apostasia e tráfico de droga são passíveis com a pena capital neste país regido por uma rigorosa versão da 'charia', a lei islâmica.

As autoridades sauditas invocam a dissuasão como argumento decisivo para justificar a pena de morte.

A Amnistia Internacional (AI) refere que a Arábia Saudita se encontra entre os países que procedem a um maior número de execuções, e onde se incluem China, Estados Unidos, Irão e Iraque.

Lusa

  • Obama diz que Guterres "tem uma reputação extraordinária"
    1:38

    Mundo

    António Guterres diz que vai trabalhar com Barack Obama e também com Donald Trump, na reforma das Nações Unidas. O futuro secretário-geral da ONU foi recebido por Obama, na Casa Branca, onde recebeu vários elogios do presidente norte-americano.

  • Mãe do guarda-redes da Chapecoense comove o Brasil
    1:37
  • Dezenas de mortos em bombardeamentos do Daesh em Mossul

    Daesh

    Dezenas de civis, entre os quais várias crianças, morreram e outros ficaram feridos em ataques de morteiro efetuados pelo grupo extremista Daesh em Mossul, disse à agência Efe o vice-comandante das forças antiterroristas iraquianas.

  • Morreu o palhaço que fazia rir as crianças de Alepo

    Mundo

    Anas al-Basha, mais conhecido como o Palhaço de Alepo, morreu esta terça-feira durante um bombardeamento aéreo na zona dominada pelos rebeldes. O funcionário público mascarava-se de palhaço para ajudar a trazer algum conforto e alegria às crianças sírias, que vivem no meio de uma guerra civil.

  • Tribunal chinês iliba jovem executado há 21 anos

    Mundo

    Nie Shubin foi fuzilado em 1995, na altura com 20 anos, depois de ter sido condenado por violação e assassinato de uma mulher, na cidade de Shijiazhuang. Agora, a justiça chinesa vem dizer que, afinal, o jovem era inocente, uma vez que não foram encontradas provas suficientes para o condenar.