sicnot

Perfil

Mundo

EUA e Iraque libertam 70 prisioneiros em risco de execução pelo Estado Islâmico

Forças norte-americanas e curdas entraram numa prisão do grupo Estado Islâmico (EI) no norte do Iraque, na quinta-feira, e libertaram cerca de 70 prisioneiros em risco iminente de execução, revelou o Pentágono.

© Thaier Al-Sudani / Reuters

Um militar norte-americano morreu na sequência dos ferimentos que sofreu durante a operação, sendo a primeira vítima mortal entre as forças norte-americanas desde que começou a campanha liderada pelos Estados Unidos contra o EI no Iraque, em junho de 2014.

Por outro lado, cinco elementos do EI foram capturados e vários outros mortos neste ataque, que teve como alvo um complexo perto de Hawijah, disse o assessor de imprensa do Pentágono, Peter Cook.

"Esta operação foi deliberadamente planeada e lançada depois de recebermos informação de que os reféns estavam em risco iminente de uma execução em massa", afirmou Cook, em comunicado.

Este ataque a Hawijah parece quebrar com o modo de atuação dos norte-americanos no Iraque, que estão no país para apoiar as forças do Governo mas não se envolvem diretamente em combates ou ataques, de acordo com a política de Barack Obama de não enviar tropas para o terreno.

No entanto, Cook rejeitou um alargamento do papel dos Estados Unidos no Iraque.

"Esta é uma situação única", disse, acrescentando que a missão recebeu luz verde do secretário da Defesa, Ashton Carter, e que a Casa Branca foi notificada.

Segundo Cook, a intervenção surgiu porque o Governo curdo pediu "assistência", no entanto, "os Estados Unidos não estão em missão de combate ativo no Iraque".

Lusa

  • "O que é isto, mamã?"
    36:23
  • O ensino à distância em Portugal
    4:12

    País

    Em Portugal, o ensino básico e secundário à distância já conta com 300 alunos e com a preciosa ajuda das novas tecnologias. É através do computador que a escola viaja e acompanha os alunos, alguns com doenças que não os permitem ir às aulas, outros que são atletas de alta competição e que têm a maior parte do tempo ocupado por treinos ou ainda os que fazem parte de famílias itenerantes, como é o caso dos que vivem no circo e andam de terra em terra.

  • Aprender a jogar badminton ao ritmo do samba
    2:54

    Mundo

    No Brasil, a correspondente da SIC foi conhecer um projeto social no Rio de Janeiro que mistura samba e desporto. Um desporto que ainda é pouco praticado mas que tem sido fundamental para transformar a vida de jovens das favelas e para descobrir novos talentos do badminton brasileiro.

    Correspondente SIC