sicnot

Perfil

Mundo

Família apreensiva com saúde de Luaty Beirão

O estado de saúde do ativista angolano Luaty Beirão permanece de alerta, ao fim de 33 dias de greve de fome, em protesto contra o excesso de prisão preventiva, desde a sua detenção, em Luanda, em junho deste ano.

JOS\303\211 SENA GOUL\303\203O

A informação sobre o estado de saúde de Luaty Beirão, que integra um grupo de 15 jovens ativistas detidos e acusados formalmente de prepararem uma rebelião e um atentado contra o Presidente angolano, foi prestado ao final do dia de sexta-feira, à agência Lusa, pela mulher do ativista, que o acompanha na clínica privada de Luanda onde se encontra, sob detenção.

"Continua a mesma coisa, ontem [quinta-feira] à noite teve uma dormência de 40 minutos, mas que passou logo a seguir, mas hoje é exatamente a mesma coisa, continua o estado de alerta", explicou Mónica Almeida.

Acrescentou que o quadro clínico de Luaty Beirão, de 33 anos, é estável e de lucidez, mas "a um ponto que dentro de um minuto pode não estar".

"É óbvio que nós estamos preocupados. Cada dia que passa aumenta a nossa preocupação", manifestou Mónica Almeida.

Luaty Beirão, que também tem nacionalidade portuguesa, exige aguardar em liberdade o julgamento, marcado para entre 16 e 20 de novembro, no Tribunal Provincial de Luanda, conforme previsto na lei angolana para este tipo de crime.

Luaty Beirão é filho de João Beirão, já falecido, que foi fundador e primeiro presidente da Fundação Eduardo dos Santos (FESA), entre outras funções públicas, sendo descrito por várias fontes como tendo sido sempre muito próximo do chefe de Estado.

Lusa

  • Aplicação WhatsApp acusada de permitir conversas secretas entre terroristas
    1:45
  • "Um Lugar ao Sol"
    17:05
    Perdidos e Achados

    Perdidos e Achados

    SÁBADO NO JORNAL DA NOITE

    O Perdidos e Achados foi conhecer como eram as férias de outros tempos. Quando o Estado Novo controlava o lazer dos trabalhadores e criava a ilusão de um país exemplar. Na Costa de Caparica, onde é hoje o complexo do INATEL estava instalada a maior colónia de férias do país, chamava-se "Um Lugar ao Sol".