sicnot

Perfil

Mundo

Terminado reencontro de 186 famílias separadas das duas Coreias

Centenas de familiares da Coreia do Sul e da Coreia do Norte despediram-se hoje após o termo da segunda e última ronda do vigésimo encontro de famílias separadas pela Guerra da Coreia (1950-53).

reuters

Quase mil pessoas de 186 famílias divididas pelo conflito, a maioria idosos, reencontraram-se no complexo turístico do monte norte-coreano Kumgang. A anterior reunião ocorreu em fevereiro do ano passado.

Na reunião de encerramento de hoje, 438 coreanos, de 90 famílias do Norte e do Sul, despediram-se entre lágrimas e abraços, depois de três dias de encontros sem a certeza de poderem voltar a ver-se.

A nova ronda de reuniões familiares teve lugar graças a um acordo alcançado pelas autoridades de Seul e de Pyongyang que, em agosto, decidiram melhorar as relações bilaterais.

Os escassos meios de comunicação presentes deram conta de histórias emotivas, como a do sul-coreano Lee Suk-ju, de 96 anos, que deu a jaqueta que levava vestida ao seu filho norte-coreano de 70 anos, que não via desde o conflito.

Relatado foi também o encontro da sul-coreana Kim Wol-soon, de 93 anos, que sofre de Alzheimer, que reconheceu, por momentos, o seu filho norte-coreano de 72 anos, o qual presenteou com a sua aliança de casamento.

Centenas de milhares de pessoas não conseguiram recuperar o contacto com os seus parentes do outro lado da fronteira desde a Guerra da Coreia, que confirmou a divisão da península.

Desde que em 1985 se organizou o primeiro reencontro, foram realizadas 20 reuniões entre famílias, a maioria das quais na passada década, em que participaram quase 20 mil coreanos.

Norte e Sul nunca foram capazes de acordar a realização dos reencontros de forma periódica.

  • Nuno Espírito Santo volta a desenhar no quadro
    6:54

    Desporto

    O treinador do FC Porto usou hoje de novo o marcador para desenhar e assim tentar explicar-se melhor. Foi na conferência de imprensa de antevisão do jogo com o Sporting de Braga. "Sei que isto vai ser motivo de brincadeira, crítica e análise", disse. "Não reparem no desenho, prestem atenção ao conteúdo".

  • "A frase que mais ouço quando digo que sou blogger é: 'Mas dá para viver disso?'"

    Web Summit

    É certo e sabido que a internet e as redes sociais abriram as portas a novas realidades laborais e sobretudo a oportunidades profissionais espalhadas um pouco por todo o mundo. Portugal não foge à regra e é cada vez mais uma parte desse todo, como o demonstra a organização da WebSummit para o triénio 2016-18. Foi precisamente por lá que encontramos a Sara Riobom, uma engenheira industrial convertida à blogosfera e a fazer vida disso mesmo.

    Martim Mariano