sicnot

Perfil

Mundo

Terminado reencontro de 186 famílias separadas das duas Coreias

Centenas de familiares da Coreia do Sul e da Coreia do Norte despediram-se hoje após o termo da segunda e última ronda do vigésimo encontro de famílias separadas pela Guerra da Coreia (1950-53).

reuters

Quase mil pessoas de 186 famílias divididas pelo conflito, a maioria idosos, reencontraram-se no complexo turístico do monte norte-coreano Kumgang. A anterior reunião ocorreu em fevereiro do ano passado.

Na reunião de encerramento de hoje, 438 coreanos, de 90 famílias do Norte e do Sul, despediram-se entre lágrimas e abraços, depois de três dias de encontros sem a certeza de poderem voltar a ver-se.

A nova ronda de reuniões familiares teve lugar graças a um acordo alcançado pelas autoridades de Seul e de Pyongyang que, em agosto, decidiram melhorar as relações bilaterais.

Os escassos meios de comunicação presentes deram conta de histórias emotivas, como a do sul-coreano Lee Suk-ju, de 96 anos, que deu a jaqueta que levava vestida ao seu filho norte-coreano de 70 anos, que não via desde o conflito.

Relatado foi também o encontro da sul-coreana Kim Wol-soon, de 93 anos, que sofre de Alzheimer, que reconheceu, por momentos, o seu filho norte-coreano de 72 anos, o qual presenteou com a sua aliança de casamento.

Centenas de milhares de pessoas não conseguiram recuperar o contacto com os seus parentes do outro lado da fronteira desde a Guerra da Coreia, que confirmou a divisão da península.

Desde que em 1985 se organizou o primeiro reencontro, foram realizadas 20 reuniões entre famílias, a maioria das quais na passada década, em que participaram quase 20 mil coreanos.

Norte e Sul nunca foram capazes de acordar a realização dos reencontros de forma periódica.

  • Celebridades protestam contra Donald Trump
    3:00

    Mundo

    Tem sido assim desde a campanha e continua. Grande parte da comunidade de artistas não está nada contente com o Presidente eleito. Vários artistas aproveitaram o dia da tomada de posse para se reunirem em Nova Iorque e protestarem contra Donald Trump.

  • "Há sobretudo um fosso entre o discurso que Trump faz e os discursos de Obama"
    6:13

    Opinião

    Cândida Pinto e Ricardo Costa estiveram no Jornal da Noite da SIC, onde analisaram a tomada de posse de Donald Trump. O Diretor de Informação da SIC disse que o discurso de Trump "mexe com a sua base de apoio" e defende que "a grande questão não vai ser a relação com a Rússia, mas sim com a China". Já a Editora de internacional disse que o discurso foi "voltado para dentro, nacionalista, partidarista, com ataque à elite de Washington".

    Ricardo Costa e Cândida Pinto

  • Artista que criou poster de Obama quer invadir EUA com símbolos de esperança

    Mundo

    Shepard Fairey - o artista por trás do tão conhecido cartaz vermelho e azul "Hope" de Barack Obama, durante a campanha eleitoral de 2008 nos EUA - produziu uma série de novas imagens a tempo da tomada de posse de Donald Trump, na sexta-feira. Agora, o artista e a sua equipa querem manifestar uma posição política com a campanha "We The People", contra as ideias que o Presidente eleito tem defendido.

  • Encontrados dez sobreviventes no hotel engolido por um avalanche em Itália
    1:44
  • Videoclipe mostra mulheres a fazer tudo o que é proibido na Arábia Saudita
    1:55

    Mundo

    Um grupo de mulheres canta, dança e faz outras coisas proibidas na Arábia Saudita como forma de protesto. O vídeo é uma crítica social à forma como as mulheres islâmicas são tratadas pelos maridos. Na letra constam frases como "Faz com que os homens desapareçam da terra" e "Eles provocam-nos doenças psicológicas". A ideia partiu de um homem, Majed al-Esa e já conta com 5 milhões de visualizações.

    Patrícia Almeida