sicnot

Perfil

Mundo

Terminado reencontro de 186 famílias separadas das duas Coreias

Centenas de familiares da Coreia do Sul e da Coreia do Norte despediram-se hoje após o termo da segunda e última ronda do vigésimo encontro de famílias separadas pela Guerra da Coreia (1950-53).

reuters

Quase mil pessoas de 186 famílias divididas pelo conflito, a maioria idosos, reencontraram-se no complexo turístico do monte norte-coreano Kumgang. A anterior reunião ocorreu em fevereiro do ano passado.

Na reunião de encerramento de hoje, 438 coreanos, de 90 famílias do Norte e do Sul, despediram-se entre lágrimas e abraços, depois de três dias de encontros sem a certeza de poderem voltar a ver-se.

A nova ronda de reuniões familiares teve lugar graças a um acordo alcançado pelas autoridades de Seul e de Pyongyang que, em agosto, decidiram melhorar as relações bilaterais.

Os escassos meios de comunicação presentes deram conta de histórias emotivas, como a do sul-coreano Lee Suk-ju, de 96 anos, que deu a jaqueta que levava vestida ao seu filho norte-coreano de 70 anos, que não via desde o conflito.

Relatado foi também o encontro da sul-coreana Kim Wol-soon, de 93 anos, que sofre de Alzheimer, que reconheceu, por momentos, o seu filho norte-coreano de 72 anos, o qual presenteou com a sua aliança de casamento.

Centenas de milhares de pessoas não conseguiram recuperar o contacto com os seus parentes do outro lado da fronteira desde a Guerra da Coreia, que confirmou a divisão da península.

Desde que em 1985 se organizou o primeiro reencontro, foram realizadas 20 reuniões entre famílias, a maioria das quais na passada década, em que participaram quase 20 mil coreanos.

Norte e Sul nunca foram capazes de acordar a realização dos reencontros de forma periódica.

  • Marido de idosa que morreu na Sertã teve de caminhar durante duas horas para pedir ajuda
    1:44

    País

    A Altice garantiu esta sexta-feira que tentou agendar, por duas vezes, a reposição da linha telefónica na casa da idosa da Sertã, que morreu na semana passada por não ter comunicações que permitissem um socorro rápido. A mulher sentiu-se mal e o marido teve de caminhar durante duas horas para conseguir chegar à casa do vizinho mais próximo e pedir ajuda.

  • "No meu bairro perguntam-me se a medalha é de ouro e dizem que ma vão roubar e vender"
    4:46
  • Como é que alguém (Rúben Semedo) com tanto pode perder tudo?
    3:05