sicnot

Perfil

Mundo

ONU alerta para agravamento da situação humanitária na Síria

A situação humanitária está a agravar-se na Síria, com cerca de 13,5 milhões de pessoas a necessitarem de ajuda, incluindo seis milhões de crianças, disse hoje o responsável pela ajuda humanitária da ONU.

© Ali Hashisho / Reuters

O secretário-geral adjunto das Nações Unidas para os Assuntos humanitários, Stephen O'Brien, referiu no Conselho de Segurança da ONU que nos últimos dez meses foram detetadas mais 1,2 milhões de pessoas com necessidade de ajuda.

Dos cerca de 680 mil migrantes que atravessaram o Mediterrâneo em 2015, cerca de 50% são sírios.

"Têm direito a asilo sem qualquer forma de discriminação", disse.

Cerca de 6,5 milhões de sírios estão deslocados no seu próprio país enquanto 4,2 milhões se refugiaram no exterior, no que O'Brien descreveu como "uma das maiores crises de deslocamento [de populações] dos tempos modernos".

Em paralelo, o ministro do Petróleo sírio, citado hoje pelo diário Al-Watan, declarou que os setores do petróleo, do gás e das minas no país acumulam perdas desde o início do conflito em 2011 que ultrapassam os 50 mil milhões de dólares (45,3 mil milhões de euros).

Os ataques dos "grupos terroristas" e os ataques aéreos conduzidos pelos Estados Unidos contra os 'jihadistas' danificaram gravemente as infraestruturas, precisou.

Mais de 240 mil pessoas já foram mortas no conflito que decorre desde 2011, iniciado em março com protestos pelo derrube do regime do Presidente Bashar al-Assad e que evoluíram quase de imediato para um conflito armado em larga escala e com um crescente envolvimento internacional.

Lusa

  • Oceanário de Lisboa dá formação sobre impacto da acumulação de plásticos nos oceanos
    2:37
  • Trump e Netanyahu discutiram "ameaças que o Irão coloca"

    Mundo

    O novo Presidente norte-americano, Donald Trump, e o primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, debateram "as ameaças que o Irão coloca" e concordaram que a paz israelo-palestiniana só pode ser "negociada diretamente", anunciou este domingo a Casa Branca.