sicnot

Perfil

Mundo

Príncipe saudita acusado de abuso sexual e cativeiro

Três norte-americanas alegam ter sido alvo de abusos de cariz sexual por parte de um príncipe saudita que as manteve em cativeiro durante três dias numa festa numa mansão em Beverly Hills, nos Estados Unidos da América (EUA).

As autoridades de Los Angeles indicaram que não iriam avançar com acusação criminal por falta de provas

As autoridades de Los Angeles indicaram que não iriam avançar com acusação criminal por falta de provas

© Fred Prouser / Reuters

As mulheres, que não foram identificadas, intentaram uma ação em Los Angeles contra Majed Abdulaziz Al Saud, de 29 anos, na qual indicam terem sido contratadas pelo príncipe como empregadas domésticas no final do mês de setembro.

Segundo a ação, interposta na passada quinta-feira, o príncipe aterrorizou as mulheres e teve comportamentos sexuais com elas.

A determinada altura, também terá alegadamente ordenado ao seu pessoal, incluindo seguranças, para se despirem junto à piscina porque queria ver toda a gente nua.

Quando uma das mulheres lhe pediu que parasse, terá supostamente gritado: "Não és uma mulher! Não és ninguém! Sou um príncipe e faço o que quero".

A mulher também alega que viram o príncipe em atos sexuais com outro homem e a inalar um pó branco que acreditam ser cocaína.

"Al Saud ameaçou violentamente e agrediu sexualmente os seus funcionários e envergonhou publicamente estas mulheres inocentes à vista de todos", disse, esta segunda-feira, o advogado das três mulheres, Van Frish, à agência AFP.

A agência noticiosa francesa indica não ter conseguido contactar o advogado do príncipe.

Segundo Van Frish, o suposto calvário acabou quando alguém chamou a polícia depois de ouvir uma outra mulher a gritar enquanto tentava escalar o muro da mansão.

O príncipe foi detido por alegadamente ter tentado forçar essa mulher a sexo oral.

Contudo, citando falta de provas, as autoridades de Los Angeles indicaram, na semana passada, que não iriam avançar com acusação criminal contra Al Saud relativamente a esse caso.

Lusa

  • Paulo Macedo pede calma para o bem do banco
    1:45

    Caso CGD

    Paulo Macedo falou pela primeira vez desde que foi eleito o novo Presidente da Caixa Geral de Depósitos e, para o bem do banco público, pediu calma a todos. Passos Coelho veio dizer que a recapitalização da Caixa pode ter de ser feita no verão do próximo ano para salvaguardar o défice deste ano. Já António Costa preferiu não comentar as declarações de Passos e diz que o banco público há muito que precisava de ser recapitalizado.

  • Condutores continuam com dúvidas em como circular numa rotunda
    2:06

    País

    Circular nas rotundas continua a ser um problema para muitos condutores. Cerca de 3 mil foram multados nos últimos três anos depois da entrada em vigor do novo código, os números são avançados pela Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária. Os instrutores de condução dizem que a medida provoca mais confusão nas horas de ponta.

  • O que aconteceu à menina síria que relatava a guerra no Twitter?
    1:59
  • Youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Reportagem da SIC "Renegados"
    1:27

    Grande Reportagem SIC

    O youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Grande Reportagem SIC "Renegados". Desde ontem já teve 67 mil visualizações no Facebook. Imagine que ia renovar o cartão de cidadão e diziam-lhe que afinal não é português? Mesmo tendo nascido, crescido, estudado e trabalhado sempre em Portugal? Foi o que aconteceu a inúmeras pessoas que nasceram depois de 1981, quando a lei da nacionalidade foi alterada.«Renegados» é como se sentem estes filhos de uma pátria que os excluiu. Para ver, esta quarta-feira, no Jornal da Noite da SIC.

  • "A nossa guerra não deixou heróis, só vilões e vítimas"
    5:26

    Mundo

    Luaty Beirão é o rosto mais visível de um movimento de contestação ao regime angolano que começou em 2011, ano da Primavera árabe. Mas a par dos 15+2, mediatizados num processo que os condenou por lerem um livro, outros activistas arriscam diariamente a liberdade.