sicnot

Perfil

Mundo

Forças armadas venezuelanas acusam EUA de estarem a preparar uma intervenção

O Estado-Maior das Forças Armadas venezuelanas acusou hoje os Estados Unidos de estarem a preparar as condições para uma intervenção no país, usando como protesto uma "possível situação humanitária".

© Carlos Garcia Rawlins / Reute

A acusação foi feita através dum comunicado lido pelo ministro da Defesa, Vladimir Padrino López, numa alocução ao país transmitida pelo canal estatal Venezuelana de Televisão, desde o palácio presidencial de Miraflores, em Caracas, durante a qual se fez acompanhar pelo alto comando militar do país.

"O império norte-americano, com o subterfúgio da defesa dos Direitos Humanos e da liberdade, pretende, uma vez mais, criar as condições necessárias para intervir (uma intervenção) no nosso país, usando como pretexto uma possível situação humanitária, produto do suposto colapso económico", disse.

O comunicado do alto comando militar venezuelano tem lugar depois do John Kelly, chefe do Comando Sul, dos EUA, em entrevista à estação norte-americana de televisão CNN, disse passar "40 segundos ao dia pensando na Venezuela (...) rezando pelo seu povo que está a sofrer terrivelmente".

Segundo John Kelly, a economia venezuelana "está literalmente no ponto de implosão", com "uma inflação de 200% este ano" e em que "os produtos básicos, as fraldas, o papel higiénico, os alimentos, são escassos ou não existem".

No entender do oficial norte-americano, "a corrupção e o narcotráfico da Colômbia para a Venezuela estão também a crescer. A solução da Venezuela está nas mãos do povo venezuelano".

Segundo o alto comando militar venezuelano, as declarações são "uma nova e fiável demonstração da ingerência imperialista, ao emitir opiniões capciosas sobre a situação política, económica e social" da Venezuela.

A Venezuela tem agendadas eleições gerais em dezembro deste ano.

Lusa

  • Celebridades protestam contra Donald Trump
    3:00

    Mundo

    Tem sido assim desde a campanha e continua. Grande parte da comunidade de artistas não está nada contente com o Presidente eleito. Vários artistas aproveitaram o dia da tomada de posse para se reunirem em Nova Iorque e protestarem contra Donald Trump.

  • "Há sobretudo um fosso entre o discurso que Trump faz e os discursos de Obama"
    6:13

    Opinião

    Cândida Pinto e Ricardo Costa estiveram no Jornal da Noite da SIC, onde analisaram a tomada de posse de Donald Trump. O Diretor de Informação da SIC disse que o discurso de Trump "mexe com a sua base de apoio" e defende que "a grande questão não vai ser a relação com a Rússia, mas sim com a China". Já a Editora de internacional disse que o discurso foi "voltado para dentro, nacionalista, partidarista, com ataque à elite de Washington".

    Ricardo Costa e Cândida Pinto

  • Artista que criou poster de Obama quer invadir EUA com símbolos de esperança

    Mundo

    Shepard Fairey - o artista por trás do tão conhecido cartaz vermelho e azul "Hope" de Barack Obama, durante a campanha eleitoral de 2008 nos EUA - produziu uma série de novas imagens a tempo da tomada de posse de Donald Trump, na sexta-feira. Agora, o artista e a sua equipa querem manifestar uma posição política com a campanha "We The People", contra as ideias que o Presidente eleito tem defendido.

  • Encontrados dez sobreviventes no hotel engolido por um avalanche em Itália
    1:44
  • Videoclipe mostra mulheres a fazer tudo o que é proibido na Arábia Saudita
    1:55

    Mundo

    Um grupo de mulheres canta, dança e faz outras coisas proibidas na Arábia Saudita como forma de protesto. O vídeo é uma crítica social à forma como as mulheres islâmicas são tratadas pelos maridos. Na letra constam frases como "Faz com que os homens desapareçam da terra" e "Eles provocam-nos doenças psicológicas". A ideia partiu de um homem, Majed al-Esa e já conta com 5 milhões de visualizações.

    Patrícia Almeida