sicnot

Perfil

Mundo

Japoneses contra mudança de base militar dos EUA em Okinawa

A mudança da base militar dos Estados Unidos de uma localidade na ilha japonesa de Okinawa para outra levou perto de uma centena de pessoas às ruas em protesto.

© KYODO Kyodo / Reuters

A polícia foi forçada a retirar os manifestantes da porta da base, muito idosos, residentes na ilha que estão contra a decisão do Governo de Tóquio de prosseguir com as obras, à revelia do governador de Okinawa que revogou a licença de construção da base militar norte-americana.

O Japão e os Estados Unidos acordaram mudar a base para a baía de Henoko, na localidade de Nago, no norte da ilha de Okinawa, mas o projeto está há quase uma década em suspenso devido à oposição da população e parte da classe política que querem a base fora da ilha.

A atual Futenma, de 480 hectares, localiza-se no centro urbano da localidade de Ginowan (94 mil habitantes), o que durante anos desencadeou protestos por parte dos habitantes devido ao ruído e à possibilidade de ocorrência de acidentes.

Okinawa alberga mais de metade dos cerca de 47 mil efetivos que os Estados Unidos mantêm no Japão, assim como 74% das instalações militares norte-americanas no país asiático.

Um quinto do solo da principal ilha do arquipélago é terreno militar norte-americano.

  • Reportagem Especial dá a voz aos despedidos da banca
    1:18
  • CEMGFA admite que várias armas roubadas estão em condições de ser usadas
    2:06

    Assalto em Tancos

    Afinal há várias armas roubadas em Tancos que estão em condições de ser utilizadas, sendo que apenas os lança-granadas-foguete estão obsoletos. Esta manhã, o general Pina Monteiro admitiu, no Parlamento, que a declaração que fez há duas semanas pode ter induzido em erro a opinião pública. O chefe do Estado-Maior General das Forças Armadas (CEMGFA) diz, ainda, que se houvesse indícios sobre colaboração do Exército neste caso, os suspeitos estariam presos.

  • Pais de Charlie Gard querem que o bebé morra em casa

    Mundo

    Depois de terem renunciado à batalha judicial para manterem o filho com vida, os pais do bebé britânico Charlie Gard desejam agora levar a criança para morrer em casa. O desejo foi revelado pelo advogado de Chris Gard e Connie Yates, numa audiência esta tarde, no Supremo Tribunal de Londres. Contudo, o hospital responsável pelo caso admite que os cuidados a Charlie não podem ser feitos em casa.