sicnot

Perfil

Mundo

ONU alerta que nasce uma criança apátrida a cada dez minutos

A ONU alertou hoje para o problema das crianças apátridas, sublinhando que nasce um bebé a cada dez minutos nesta situação e que o problema ganha novas dimensões com o conflito na Síria e a crise migratória europeia.

reuters

Num relatório publicado hoje, a Agência das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR) refere que 10 milhões de pessoas no mundo são consideradas apátridas, ou seja, não têm nacionalidade, e alerta que essa condição tem efeitos muito nocivos nas crianças, provocando-lhes sentimentos de discriminação, frustração e desesperança que podem prolongar-se até à idade adulta.

O relatório publicado hoje é o maior estudo da ACNUR sobre a questão dos menores apátridas e conta com 250 testemunhos de crianças, jovens, pais e tutores de diversos países e zonas do mundo.

Os menores contam que são tratados como estrangeiros nos países em que vivem. Muitos deles descrevem-se mesmo como "invisíveis", "extraterrestres", "a viver na sombra", "cães de rua" ou "sem valor". É frequente, ainda, serem-lhes negados direitos como a obtenção de diplomas académicos ou o acesso a diversos postos de trabalho.

A publicação deste documento coincide com o primeiro aniversário do lançamento da campanha "#IBelong# pela ACNUR, que tem como objetivo a abolição da condição de apátridas em 2014.

A ACNUR apela a todos os países que se juntem a esta campanha, considerando que este é um problema "relativamente fácil de solucionar e prevenir".

Entre as propostas da agência, está que uma criança receba a nacionalidade do país em que nasce caso não possa ter a dos seus pais.

Por outro lado, pede que em todos os países as mulheres possam passar a sua nacionalidade aos filhos, algo que não acontece numa dezena de casos.

A ACNUR pede ainda que sejam abolidas as leis e práticas que negam a pertença a um país a uma criança por causa da raça, etnia ou religião.

Para o alto comissário das Nações Unidas para os Refugiados, António Guterres, não ter nacionalidade na infância pode originar problemas que "perseguirão" estas pessoas durante anos e as "condenarão" a uma vida de discriminação.

"Nenhuma criança deveria ser apátrida. Todas deveriam pertencer a um lugar", disse António Guterres, citado num comunicado da ACNUR.

  • "Quem faz isto sabe estudar os dias e o vento para arder o máximo possível"
    4:15
  • O balanço trágico dos incêndios do fim de semana
    0:51

    País

    Mais de 500 mil hectares de área ardida, 42 vítimas mortais, 71 de feridos, dezenas de casas e empresas destruídas. É este o balanço de mais um fim de semana trágico para Portugal a nível de incêndios florestais.

  • 2017: o ano em que mais território português ardeu
    1:41

    País

    Desde janeiro, houve mais área ardida do que em qualquer outro ano na história registada de incêndios florestais. Segundo dados provisórios do Sistema Europeu de Informação sobre Fogos Florestais, mais de 519 mil hectares foram consumidos pelas chamas até 17 de outubro, o que representa quase 6% de toda a área de Portugal. 

  • "Viverei com o peso na consciência até ao último dia"
    3:00
  • O que resta de Tondela depois dos incêndios
    1:07

    País

    O concelho de Tondela é agora um mar de cinzas, imagens recolhidas pela SIC com um drone mostram bem a dimensão do que foi destruído pelos incêndios. Perto 100 habitações principais ou secundárias, barracões, oficinas e stands arderam. 

  • Moradores reuniram esforços para salvar idosos das chamas em Pardieiros
    2:50

    País

    O incêndio de domingo em Nelas fez uma vítima mortal: um homem de 50 anos, de Caldas da Felgueira, que regressava de uma aldeia vizinha, onde tinha ido ajudar a combater as chamas. Em Pardieiros, no concelho de Carregal do Sal, várias casas arderam e uma jovem sofreu queimaduras ao fugir do incêndio. Durante o incêndio, pessoas reuniram esforços para salvar a povoação.

  • Cinco unidades fabris em Tondela destruídas pelas chamas
    3:06

    País

    As contas finais dos prejuízos na zona industrial de Tondela ainda não são definitivas, mas há cinco unidades fabris que foram atingidas pelas chamas. O aterro sanitário do Planalto Beirão foi também atingido pelo fogo que atravessou Tondela, onde ardeu o equivalente a 20 anos de resíduos orgânicos.

  • As lágrimas do primeiro-ministro do Canadá

    Mundo

    O primeiro-ministro da Canadá, Justin Trudeau, emocionou-se esta quarta-feira ao falar de um artista que morreu depois de perder uma luta contra o cancro. Gord Downie, vocalista da banda de rock canadiana "The Tragically Hip", faleceu esta terça-feira, aos 53 anos, vítima de um tumor cerebral.