sicnot

Perfil

Mundo

Igreja sérvia contra adesão do Kosovo à UNESCO admite uso da força

O patriarca da igreja ortodoxa sérvia Irinej apelou hoje a que se evite a adesão do Kosovo à UNESCO, se necessário pelo uso "da força", por ocasião do início da conferência geral da organização.

(arquivo)

(arquivo)

© Hazir Reka / Reuters

A conferência da agência das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO), de hoje a dia 18 em Paris, vai decidir se aceita a candidatura do Kosovo, à qual a Sérvia se opõe.

Belgrado, que ainda considera o Kosovo como uma província do sul da Sérvia e o berço da cultura sérvia, recusa-se a reconhecer a independência, unilateralmente proclamada em 2008 pela maioria albanesa da população.

"Se a força é usada" para privar a Sérvia do seu património histórico e cultural no Kosovo "devemos tudo fazer para o defender, por meios pacíficos ou pela força", disse o bispo.

"Espero que não sejamos obrigados a usar esses meios (a força) e que a consciência dos que vão decidir o nosso destino desperte", afirmou o patriarca à televisão estatal sérvia.

E acrescentou: os poderosos deste mundo querem tirar-nos os nosso lugares sagrados e proclamá-los lugares sagrados kosovares (...), esses lugares pertencem-nos, é a nossa história, a nossa cultura, o berço de tudo o que é grande e durável na nossa história.

"Em nenhum caso devemos permitir que o Kosovo não pertença aos que são os seus proprietários", acrescentou, insurgindo-se contra a intenção de confiar os lugares sagrados da Sérvia "aos que ao longo da história não fizeram mais do que os destruir".

O patriarca referia-se nomeadamente aos motins de março de 2004, no Kosovo, quando os albaneses incendiaram e danificaram dezenas de igrejas e mosteiros sérvios, nomeadamente a igreja Bogorodica Ljeviska, em Prizren (sul), um monumento do século XII que faz parte da lista do património mundial da humanidade.

Três dos principais mosteiros ortodoxos do Kosovo, Pec (onde são entronizados os patriarcas sérvios), Gracanica e Decane, fazem também parte essa lista.

Belgrado recusa-se categoricamente a que o Kosovo seja admitido na UNESCO, o que transferiria a responsabilidade pela manutenção dos mosteiros e seria um passo mais para a adesão à ONU.

Belgrado argumenta que a proteção desses lugares não pode ser confiada aos que os tentaram destruir.

O Kosovo, com 1,8 milhões de habitantes dos quais 90% albaneses, foi até agora reconhecido por mais de cem países, incluindo os Estados Unidos e a maioria dos países da União Europeia.

Lusa

  • O perfil do homicida de Barcelos
    2:42

    País

    Adelino Gomes Briote já tinha sido condenado por ofensas à integridade física da sogra e de uma filha. Em seis meses esta foi a segunda vez que o homem acusado do quádruplo homicídio em Barcelos esteve perante a justiça.

  • "Um Lugar ao Sol"
    17:05
  • Trump diz que Obamacare vai "colapsar"

    Mundo

    O Presidente norte-americano tentou desvalorizar a derrota política sofrida na sexta-feira no Congresso, ao desistir da revogação da lei de saúde pública do seu antecessor, conhecida como Obamacare, afirmando que esta vai colapsar por si mesma.

  • Milhares nas cerimónias fúnebres de dirigente do Hamas

    Mundo

    Milhares de palestinianos participaram nas cerimónias fúnebres de um dirigente do Hamas, assassinado esta sexta-feira, na Faixa de Gaza. Vários homens armados acompanharam o cortejo fúnebre até à mesquita, onde se fizeram as últimas orações.

  • Guerra na Síria não dá tréguas
    1:51

    Mundo

    Na Síria e ao mesmo tempo que decorrem novas negociações de paz, a guerra não dá tréguas. As imagens mostram o resultados dos últimos raides aéreos nos subúrbios de Damasco. O balanço provisório é de mais de 30 mortos e pelo menos 50 feridos.