sicnot

Perfil

Mundo

Sobe para 41 número de mortos em incêndio em discoteca na Roménia

O balanço das vítimas mortais no incêndio, a 30 de outubro, numa discoteca de Bucareste subiu hoje para 41, ao mesmo tempo que milhares de romenos voltaram a manifestar-se contra os políticos corruptos.

Vadim Ghirda

Ao todo, sete feridos, com queimaduras e problemas respiratórios graves, morreram em hospitais de Bucareste, e dois na Holanda, para onde tinham sido transferidos, de acordo com várias fontes médicas e governamentais.

Uma centena de pessoas, sobretudo jovens, continua hospitalizada, incluindo cerca de 40 em estado "grave e crítico", de acordo com o último balanço da tragédia, que chocou a Roménia e provocou a queda do Governo do social-democrata Victor Ponta.

Na sexta-feira, 16 feridos foram levados de avião para hospitais na Bélgica e na Holanda. Hoje, dois feridos foram transferidos para a Áustria, indicou o Ministério do Interior romeno.

A 30 de outubro, um violento incêndio deflagrou numa discoteca no centro da capital, quando decorria um espetáculo de pirotecnia durante um concerto de "hard rock".

Os primeiros elementos do inquérito mostraram a existência de várias falhas nas regras de segurança, nomeadamente a existência de uma única porta aberta, a ausência de saídas de emergência e a utilização de materiais inflamáveis no isolamento acústico.

Os três proprietários da discoteca "Colectiv", acusados de homicídio involuntário e em detenção desde terça-feira, não possuíam autorizações necessárias para realizar concertos ou espetáculos pirotécnicos.

O acidente causou um movimento de protestos inédito no país contra uma classe política considerada corrupta e responsabilizada pela tragédia.

De acordo com as autoridades, cerca de três mil pessoas, sobretudo jovens, manifestaram-se hoje, em Bucareste, pela quinta noite, para exigir mudanças profundas na sociedade romena.

"Roménia, acorda!", "Colectiv!", gritaram os manifestantes, concentrados na Praça da Universidade, centro da revolução popular contra o regime do ditador Nicolae Ceausescu, em 1989.

Centenas de manifestantes percorreram hoje as ruas em outras grandes cidades do país, nomeadamente Cluj, Sibiu (norte) e Timisoara (oeste).

Na véspera, cerca de 15 mil pessoas manifestaram-se em todo o país.

Lusa

  • Primeiro-ministro da Roménia demite-se
    1:16

    Mundo

    O primeiro-ministro da Roménia demitiu-se. Victor Ponta não resistiu à forte contestação e anunciou a decisão um dia depois do protesto que juntou milhares de pessoas, em Bucareste. Os manifestantes responsabilizam o Governo pelo incêndio numa discoteca da capital que fez 32 mortos e quase 200 feridos.

  • Bomba encontrada na Nazaré pode ter sido largada durante 2.ª Guerra Mundial
    2:26

    País

    A bomba que esta segunda-feira veio nas redes de um arrastão na Nazaré já foi detonada. O engenho explosivo foi identificado como uma bomba de avião por especialistas da Marinha, que eliminaram também o perigo equivalente a 600 quilogramas de TNT. A bomba sem qualquer inscrição tinha um desgaste evidente e, segundo a Marinha, pode ter sido largada de um avião durante a 2.ª Guerra Mundial.

  • Derrocada de muro em Lisboa obriga à retirada de 40 pessoas de 5 prédios
    2:14

    País

    Os moradores de três prédios de Lisboa não podem regressar tão cedo a casa. Durante a madrugada, a derrocada de um muro obrigou à retirada de 40 pessoas de cinco edifícios. Um dos inquilinos sofreu ferimentos ligeiros. Entretanto, a maioria dos residentes já foi realojada em casas de familiares e num hotel.

  • "Geringonça" elogiada na Europa e EUA
    4:22

    País

    Num momento em que por cá se fala de claustrofobia democrática, a Europa e os Estados Unidos desdobram-se em elogios ao sucesso da maioria de Esquerda em Portugal. A palavra "geringonça" já tem até tradução em várias línguas.

  • ONU estima que mais 750 mil civis estejam em risco na cidade de Mossul
    1:39

    Mundo

    As Nações Unidas estimam que mais 750 mil civis estejam em risco na zona ocidental de Mossul, no Iraque. Mais de 10 mil pessoas fugiram da zona ocidental da cidade nos últimos quatro dias. Enquanto a população tenta escapar ao fogo cruzado, as forças iraquianas avançam sobre a cidade ainda controlada pelo Daesh.