sicnot

Perfil

Mundo

Sobe para 41 número de mortos em incêndio em discoteca na Roménia

O balanço das vítimas mortais no incêndio, a 30 de outubro, numa discoteca de Bucareste subiu hoje para 41, ao mesmo tempo que milhares de romenos voltaram a manifestar-se contra os políticos corruptos.

Vadim Ghirda

Ao todo, sete feridos, com queimaduras e problemas respiratórios graves, morreram em hospitais de Bucareste, e dois na Holanda, para onde tinham sido transferidos, de acordo com várias fontes médicas e governamentais.

Uma centena de pessoas, sobretudo jovens, continua hospitalizada, incluindo cerca de 40 em estado "grave e crítico", de acordo com o último balanço da tragédia, que chocou a Roménia e provocou a queda do Governo do social-democrata Victor Ponta.

Na sexta-feira, 16 feridos foram levados de avião para hospitais na Bélgica e na Holanda. Hoje, dois feridos foram transferidos para a Áustria, indicou o Ministério do Interior romeno.

A 30 de outubro, um violento incêndio deflagrou numa discoteca no centro da capital, quando decorria um espetáculo de pirotecnia durante um concerto de "hard rock".

Os primeiros elementos do inquérito mostraram a existência de várias falhas nas regras de segurança, nomeadamente a existência de uma única porta aberta, a ausência de saídas de emergência e a utilização de materiais inflamáveis no isolamento acústico.

Os três proprietários da discoteca "Colectiv", acusados de homicídio involuntário e em detenção desde terça-feira, não possuíam autorizações necessárias para realizar concertos ou espetáculos pirotécnicos.

O acidente causou um movimento de protestos inédito no país contra uma classe política considerada corrupta e responsabilizada pela tragédia.

De acordo com as autoridades, cerca de três mil pessoas, sobretudo jovens, manifestaram-se hoje, em Bucareste, pela quinta noite, para exigir mudanças profundas na sociedade romena.

"Roménia, acorda!", "Colectiv!", gritaram os manifestantes, concentrados na Praça da Universidade, centro da revolução popular contra o regime do ditador Nicolae Ceausescu, em 1989.

Centenas de manifestantes percorreram hoje as ruas em outras grandes cidades do país, nomeadamente Cluj, Sibiu (norte) e Timisoara (oeste).

Na véspera, cerca de 15 mil pessoas manifestaram-se em todo o país.

Lusa

  • Primeiro-ministro da Roménia demite-se
    1:16

    Mundo

    O primeiro-ministro da Roménia demitiu-se. Victor Ponta não resistiu à forte contestação e anunciou a decisão um dia depois do protesto que juntou milhares de pessoas, em Bucareste. Os manifestantes responsabilizam o Governo pelo incêndio numa discoteca da capital que fez 32 mortos e quase 200 feridos.

  • Rui Patrício confirmado no Wolverhampton

    Desporto

    O Wolverhampton anunciou esta segunda-feira a contratação do guarda-redes Rui Patrício, depois da rescisão com o Sporting. O guarda-redes da seleção nacional assinou contrato com o clube inglês por quatro épocas.

    SIC

  • Novo treinador do Sporting diz que mulheres não estão preparadas para falar de futebol
    1:23
  • Salto de Cristiano Ronaldo inspira dança afro-beat

    Desporto

    Uma música humorística afro-beat, publicada nas redes sociais e inspirada nos saltos de Cristiano Ronaldo quando marca golos, está a ser replicada na internet com dezenas de coreografias filmadas, muitas das quais em França.

  • Ronaldo no País dos Sovietes: As religiões praticadas na Rússia
    1:55
  • "Estamos a plantar fósforos"
    2:09

    Opinião

    O calor regressou esta segunda-feira em força e no terreno estiveram quase 1300 bombeiros a combater 70 fogos por todo o país. Depois da tragédia de Pedrógão Grande, o Presidente da República diz que a consciência do país mudou mas é preciso fazer mais. Já Miguel Sousa Tavares diz que o país está mais preparado para combater os incêndios do que alguma vez esteve. No entanto, o comentador da SIC diz que já foram plantados mais de "2500 hectares de eucaliptos" desde Pedrógão e que enquanto isso acontecer Portugal vai continuar a arder. 

    Miguel Sousa Tavares

  • Merkel tem duas semanas para negociar solução para crise migratória

    Mundo

    A chanceler alemã tem duas semanas para negociar com os parceiros europeus uma solução para a questão migratória e assim evitar uma crise política. O ultimato foi dado pelo CSU, o partido da Baviera que integra a coligação governamental. Ao contrário de Angela Merkel, defende uma política para os refugiados mais estrita.

  • Pai de Meghan Markle lamenta ser "nota de rodapé" no casamento real
    2:03
  • Quando as crianças fazem das suas... os pais é que pagam

    Mundo

    Quando as crianças fazem das suas, restam os pais para as castigar ou, em alguns casos, para sofrer as consequências desses atos. Quem o pode dizer é um casal norte-americano, que recebeu uma fatura de 132 mil dólares (cerca de 114 mil euros), depois de o filho ter derrubado uma estátua num centro comunitário.

    SIC