sicnot

Perfil

Mundo

Papa pede combate contra corrupção e exploração laboral

O papa Francisco pediu que se combata a exploração laboral, o cancro da corrupção e o veneno da ilegalidade, num discurso aos cidadãos de Prato, localidade da Toscana, que visita hoje.

© Alessandro Bianchi / Reuters

"A sacralidade de cada ser humano requer para cada um respeito, acolhimento e trabalho digno. A vida de cada comunidade exige que se combata, até ao final, o cancro da corrupção, da exploração humana e o veneno da ilegalidade", disse, a partir de uma das varandas da catedral de Prato.

O discurso de Francisco foi inspirado pelo acidente de dezembro de 2013, quando um incêndio numa fábrica ilegal de Prato causou a morte de sete imigrantes chineses, que trabalhavam, viviam e dormiam no edifício.

"É uma tragédia da exploração e das condições de vida desumanas (...) Isto não é um trabalho digno", sublinhou.

Em Prato residem 191 mil pessoas, 35 mil das quais imigrantes de 123 nacionalidades e a maior comunidade chinesa de Itália.

O papa saiu do Vaticano às 07:00 (06:00 em Lisboa), de helicóptero, e aterrou no campo desportivo de Prato às 07:50, tendo dirigido-se de imediato à praça da catedral.

Depois desta etapa, Francisco prossegue a deslocação a Florença, por ocasião do V congresso nacional da Conferência Episcopal Italiana, tendo previsto um almoço com um grupo de pobres.

  • Dois jovens atropelados mortalmente no concelho de Montemor-o-Velho
    2:20
  • Presidente de "O Sonho" suspeito de peculato e fraude
    2:26

    País

    O presidente das três instituições de solidariedade social de Setúbal - incluindo "O Sonho" -, que na sexta-feira foram alvo de buscas, foi constituído arguido. Florival Cardoso é, por enquanto, o único suspeito de peculato e fraude na obtenção de subsídios para as instituições.

  • Manifestação contra mina de urânio junta milhares em Salamanca
    1:39
  • Assalto a Tancos e roubo de armas da PSP podem estar relacionados
    1:24

    País

    O assalto a Tancos e o roubo de armas da PSP, três recuperadas na semana passada, podem estar relacionados. O semanário Expresso avançou este sábado que há suspeitos de terem participado nos dois assaltos e o grupo, ou parte dele, atua principalmente do Algarve, com possíveis ligações a outras organizações espalhadas pelo país ou até transacionais.

  • Cessar-fogo de 30 dias na Síria
    2:07