sicnot

Perfil

Mundo

Papa pede combate contra corrupção e exploração laboral

O papa Francisco pediu que se combata a exploração laboral, o cancro da corrupção e o veneno da ilegalidade, num discurso aos cidadãos de Prato, localidade da Toscana, que visita hoje.

© Alessandro Bianchi / Reuters

"A sacralidade de cada ser humano requer para cada um respeito, acolhimento e trabalho digno. A vida de cada comunidade exige que se combata, até ao final, o cancro da corrupção, da exploração humana e o veneno da ilegalidade", disse, a partir de uma das varandas da catedral de Prato.

O discurso de Francisco foi inspirado pelo acidente de dezembro de 2013, quando um incêndio numa fábrica ilegal de Prato causou a morte de sete imigrantes chineses, que trabalhavam, viviam e dormiam no edifício.

"É uma tragédia da exploração e das condições de vida desumanas (...) Isto não é um trabalho digno", sublinhou.

Em Prato residem 191 mil pessoas, 35 mil das quais imigrantes de 123 nacionalidades e a maior comunidade chinesa de Itália.

O papa saiu do Vaticano às 07:00 (06:00 em Lisboa), de helicóptero, e aterrou no campo desportivo de Prato às 07:50, tendo dirigido-se de imediato à praça da catedral.

Depois desta etapa, Francisco prossegue a deslocação a Florença, por ocasião do V congresso nacional da Conferência Episcopal Italiana, tendo previsto um almoço com um grupo de pobres.

  • BE acusa direita de bloquear atual comissão à CGD
    1:37

    Caso CGD

    O Bloco de Esquerda acusa a oposição de estar a fazer tudo para impedir as conclusões da comissão de inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos que está em curso. Numa altura em que PSD e CDS já entregaram o requerimento para avançar com uma segunda comissão, Catarina Martins defende que ainda há muita coisa por apurar sobre o processo de recapitalização do banco público.

  • Visita de Costa a Angola pode estar em risco
    2:26

    País

    A visita de António Costa a Luanda poderá estar em risco devido à acusação da justiça portuguesa contra o vice-Presidente de Angola. O jornal Expresso avança que o comunicado com a reação dura do Governo angolano é apenas o primeiro passo e que pode até estar a ser preparado um conjunto de medidas contra Portugal. Para já, o primeiro-ministro português desvaloriza a ameaça e mantém a visita marcada para a primavera.