sicnot

Perfil

Mundo

PR angolano diz que não há espaço para "vingança" de "pessoas de má-fé" em Portugal

O Presidente angolano, José Eduardo dos Santos, disse hoje, em mensagem dirigida à nação por ocasião dos 40 anos da independência nacional, que não há espaço para "saudosismo" e "espírito de vingança" de "pessoas de má-fé" em Portugal.

José Eduardo dos Santos, presidente angolano.

José Eduardo dos Santos, presidente angolano.

Eraldo Peres

Na mensagem gravada, lida pelo chefe de Estado e emitida às 00:00 (menos uma hora em Lisboa) de 11 de novembro, pela rádio e televisão públicas, José Eduardo dos Santos enalteceu que o Brasil foi o primeiro país que "acreditou" em Angola, no reconhecimento da independência, há precisamente 40 anos.

Já sobre Portugal, país colonizador até 1975, José Eduardo dos Santos recordou que as relações diplomáticas bilaterais só foram estabelecidas entre os dois Estados três anos depois da independência.

"Estamos certos de que, quer em Angola quer em Portugal, as pessoas de bem vão continuar a desenvolver com confiança as relações privilegiadas que existem entre os dois povos e Estados, fundadas numa amizade sincera, solidariedade exemplar e cooperação com vantagens recíprocas, dando cada vez menos espaço ao saudosismo e o espírito de vingança e de reconquista de pessoas de má-fé", apontou o Presidente angolano, numa mensagem de quase 40 minutos.

As comemorações da independência angolana decorrem este ano num momento de particular tensão entre Angola e alguns setores da sociedade portuguesa, que pedem publicamente a libertação de um grupo de 15 ativistas, acusados de prepararem uma rebelião, detidos desde junho, pretensão que tem sido classificada por Luanda como uma ingerência nos assuntos internos.

Numa mensagem que passou em revista os efeitos dos 500 anos de poder colonial português e os últimos 40 anos de Angola independente, José Eduardo dos Santos apontou os efeitos dessa ocupação no desenvolvimento do país, nomeadamente pelo tráfico de escravos para o Brasil.

"Segundo alguns historiadores, dos cerca de quatro milhões de escravos levados de África para o Brasil, metade, isto é, cerca de dois milhões, saíram de Angola. Essa deve ser a principal razão porque a população de Angola não é mais numerosa, pois supõe-se que ela devia ser hoje superior a 50 milhões de habitantes, em vez dos cerca de 26 milhões que somos", disse o chefe de Estado angolano.

Por entre duras críticas ao passado de ocupação colonial, salientando as "injustiças culturais gritantes, assim como a humilhação e a violação sistemática dos direitos fundamentais" ao longo dos últimos 400 anos de poder colonial.

Contudo, disse, o "colonialismo não teria durado tanto tempo se os angolanos fossem mais coesos ou se conseguissem realizar a união de todas as forças nacionalistas mais cedo".

"Esta união, de facto, foi alcançada nalguns momentos, mas durou muito pouco tempo", acrescentou, recordando, por outro lado, o surgimento dos três movimentos de libertação nacional, hoje partidos políticos.

"Tudo levava a crer que o MPLA, a FNLA e a UNITA, que se afirmavam no terreno da luta armada como movimentos de libertação, iriam ultrapassar rapidamente as suas divergências e acelerar a derrota do exército colonial português, mas isso não aconteceu porque a unidade não foi alcançada", observou.

Durante a mensagem, José Eduardo dos Santos saudou os apoios de países como a Nigéria, Rússia ou Cuba no apoio à luta de libertação e na consolidação da independência, além de garantir que com os acordos de 2002 "a paz chegou para ficar" em Angola.

Lusa

  • Manuel Pinho suspeito de quatro offshores e pelo menos 1M€ em luvas do GES
    1:31
  • Fim de semana de chuva, trovoada e granizo
    0:50

    País

    O mau tempo está de regresso este fim de semana, sobretudo no sul do continente e na Madeira. Esta manhã, Faro acordou com uma chuva intensa de granizo, com quedas de árvores e pequenas inundações.

  • As imagens do granizo que caiu no Algarve
    0:47

    País

    Faro acordou hoje com uma intensa queda de granizo. Pedras de gelo, com cerca de meio centímetro de diâmetro, em especial entre as 06:30 e as 07:00 da manhã. Segundo o IPMA tratou-se de "uma linha de instabilidade" que foi subindo a norte, para os distritos de Beja e Setúbal, mas com menos intensidade" e que provocaram inundações pontuais na via publica e em garagens e algumas quedas de árvore.

  • Alunos trocam aulas pelas ruas contra armas nos EUA
    2:43
  • Rainha Isabel II faz hoje 92 anos
    2:36
  • Porque erram os árbitros?
    2:03

    Desporto

    Num momento em que a polémica em redor da arbitragem está acesa e que nem o videoárbitro parece ter contribuído para a pacificar o futebol, em Leiria juntaram-se treinadores e homens do apito para se entender porque erram os árbitros.

  • "Não andámos a tomar calmantes, nem a dar abracinhos"
    0:52

    Desporto

    Rui Vitória recusa atirar a toalha ao chão. O treinador do Benfica acredita que ainda muito pode acontecer e revela a motivação da equipa depois da derrota com o FC Porto na Luz, que levou à perda da liderança a quatro jornadas do fim.

  • "Se não querem que vos baixem as calças, não se tornem modelos"

    Mundo

    "Se não querem que vos baixem as calças, não se tornem modelos", esta foi apenas uma das declarações de Karl Lagerfeld sobre as denúncias de abuso sexual, que estão a marcar o mundo do cinema, da música e da moda. Numa entrevista, o diretor criativo da Chanel e da Fendi declarou mesmo que estava farto do #MeToo, o movimento usado para denunciar estes casos de abusos por todo o mundo.

    SIC

  • Viagem de balão para ver as cerejeiras em flor
    14:27
  • Niassa foi o 4.º lince-ibérico libertado a ser atropelado em Portugal
    1:33

    País

    Uma fêmea de lince-ibérico foi encontrada morta com sinais de atropelamento na A22, próximo de Olhão. A fêmea, criada em cativeiro, tinha sido libertada no Vale do Guadiana em fevereiro de 2017. É o quarto lince-ibérico, que tinha sido libertado na natureza, que morre atropelado em Portugal.

  • "Há uma aceitação do lince no território"
    3:33

    País

    Apesar de já se terem registado em Portugal quatro atropelamentos de linces libertados na natureza, em entrevista à SIC, Pedro Rocha, do Departamento do Alentejo do Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF), disse que o programa de reintrodução "tem corrido bastante bem", não só devido às condições do habitat e disponibilidade de alimento, mas também porque "há uma aceitação do lince no território". Desde 2015, foram libertados no Vale do Guadiana 33 linces e 16 já nasceram em estado selvagem.

  • EUA acusam Síria de tentar apagar provas de alegado ataque químico em Douma
    1:28
  • Já pode escolher uma morte amiga do ambiente

    Mundo

    Preocupa-se com o ambiente? Recicla? Prefere andar a pé ou partilhar transportes? Então saiba que a partir de agora a morte também pode ser amiga do ambiente. Desde caixões degradáveis de vime a cremação líquida, já é possível diminuir o impacto ambiental da morte.

    SIC

  • O "anjo" que quer ensinar raparigas a programar
    2:59