sicnot

Perfil

Mundo

PR angolano diz que não há espaço para "vingança" de "pessoas de má-fé" em Portugal

O Presidente angolano, José Eduardo dos Santos, disse hoje, em mensagem dirigida à nação por ocasião dos 40 anos da independência nacional, que não há espaço para "saudosismo" e "espírito de vingança" de "pessoas de má-fé" em Portugal.

José Eduardo dos Santos, presidente angolano.

José Eduardo dos Santos, presidente angolano.

Eraldo Peres

Na mensagem gravada, lida pelo chefe de Estado e emitida às 00:00 (menos uma hora em Lisboa) de 11 de novembro, pela rádio e televisão públicas, José Eduardo dos Santos enalteceu que o Brasil foi o primeiro país que "acreditou" em Angola, no reconhecimento da independência, há precisamente 40 anos.

Já sobre Portugal, país colonizador até 1975, José Eduardo dos Santos recordou que as relações diplomáticas bilaterais só foram estabelecidas entre os dois Estados três anos depois da independência.

"Estamos certos de que, quer em Angola quer em Portugal, as pessoas de bem vão continuar a desenvolver com confiança as relações privilegiadas que existem entre os dois povos e Estados, fundadas numa amizade sincera, solidariedade exemplar e cooperação com vantagens recíprocas, dando cada vez menos espaço ao saudosismo e o espírito de vingança e de reconquista de pessoas de má-fé", apontou o Presidente angolano, numa mensagem de quase 40 minutos.

As comemorações da independência angolana decorrem este ano num momento de particular tensão entre Angola e alguns setores da sociedade portuguesa, que pedem publicamente a libertação de um grupo de 15 ativistas, acusados de prepararem uma rebelião, detidos desde junho, pretensão que tem sido classificada por Luanda como uma ingerência nos assuntos internos.

Numa mensagem que passou em revista os efeitos dos 500 anos de poder colonial português e os últimos 40 anos de Angola independente, José Eduardo dos Santos apontou os efeitos dessa ocupação no desenvolvimento do país, nomeadamente pelo tráfico de escravos para o Brasil.

"Segundo alguns historiadores, dos cerca de quatro milhões de escravos levados de África para o Brasil, metade, isto é, cerca de dois milhões, saíram de Angola. Essa deve ser a principal razão porque a população de Angola não é mais numerosa, pois supõe-se que ela devia ser hoje superior a 50 milhões de habitantes, em vez dos cerca de 26 milhões que somos", disse o chefe de Estado angolano.

Por entre duras críticas ao passado de ocupação colonial, salientando as "injustiças culturais gritantes, assim como a humilhação e a violação sistemática dos direitos fundamentais" ao longo dos últimos 400 anos de poder colonial.

Contudo, disse, o "colonialismo não teria durado tanto tempo se os angolanos fossem mais coesos ou se conseguissem realizar a união de todas as forças nacionalistas mais cedo".

"Esta união, de facto, foi alcançada nalguns momentos, mas durou muito pouco tempo", acrescentou, recordando, por outro lado, o surgimento dos três movimentos de libertação nacional, hoje partidos políticos.

"Tudo levava a crer que o MPLA, a FNLA e a UNITA, que se afirmavam no terreno da luta armada como movimentos de libertação, iriam ultrapassar rapidamente as suas divergências e acelerar a derrota do exército colonial português, mas isso não aconteceu porque a unidade não foi alcançada", observou.

Durante a mensagem, José Eduardo dos Santos saudou os apoios de países como a Nigéria, Rússia ou Cuba no apoio à luta de libertação e na consolidação da independência, além de garantir que com os acordos de 2002 "a paz chegou para ficar" em Angola.

Lusa

  • Marcelo lembra as consequências da demissão de Vítor Gaspar
    1:06

    Caso CGD

    O Presidente da República reitera que o assunto Caixa Geral de Depósitos está fechado. Em entrevista à TVI, Marcelo Rebelo de Sousa lembrou esta segunda-feira as consequências que a demissão de Vítor Gaspar, ministro das Finanças em 2013, provocou no sistema financeiro para justificar o facto de ter intervindo na polémica com as SMS trocadas entre Mário Centeno e António Domingues.

  • PSD e CDS admitem chamar António Costa à nova Comissão de Inquérito à CGD
    2:37

    Caso CGD

    PSD e CDS admitem chamar o primeiro-ministro à nova Comissão de Inquérito à CGD. Apesar de ser uma hipótese, a SIC sabe que os dois partidos ainda estão a definir o objeto do inquérito e, por isso, afirmam que é prematuro falar sobre eventuais audições. Seja como for, António Costa voltou esta segunda-feira a dizer que o assunto está encerrado.

  • Acha que conhece o seu país?
    27:42
  • Avioneta despenha-se em centro comercial de Melbourne

    Mundo

    Uma avioneta com cinco pessoas a bordo caiu num centro comercial perto do aeroporto de Essendon em Melbourne, capital da Austrália. Segundo a polícia do estado de Vitória tratava-se de um voo charter com destino a King Island, situada entre a parte continental da Austrália e a ilha da Tasmânia.

  • Pelo menos 18 detidos em protestos no Rio de Janeiro

    Mundo

    Pelo menos 18 pessoas foram esta segunda-feira detidas no Rio de Janeiro, Brasil, depois de confrontos com a polícia durante um protesto contra a privatização da empresa pública de saneamento, que serve o terceiro estado mais povoado do país.

  • O momento em que Kim Jong-nam terá sido envenenado
    1:21

    Mundo

    A investigação ao homicídio do meio-irmão do líder da Coreia do Norte no aeroporto da capital da Malásia está a provocar uma crise diplomática entre os dois países. Esta segunda-feira, um canal de televisão japonês divulgou imagens das câmaras de vigilância do aeroporto que alegadamente captam o momento em que Kim Jong-nam terá sido envenenado.

  • O atentado na Suécia inventado por Donald Trump
    2:12
  • Os ensaios para a maior festa do ano
    1:16

    Mundo

    Em contagem decrescente para o Carnaval, no Rio de Janeiro, já começaram os ensaios para a maior festa do ano. A noite de testes na avenida Marquês de Sapucaí conta com desfiles gratuitos.