sicnot

Perfil

Mundo

Putin quer investigação interna no escândalo de doping na Rússia

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, defendeu hoje uma investigação interna e a aplicação de sanções individuais no âmbito das acusações de doping organizado que abalam o atletismo russo.

© RIA Novosti / Reuters

Numa reunião com as autoridades desportivas em Sochi, cidade que recebeu os Jogos Olímpicos de inverno de 2014, o presidente russo afirmou que o país "tem de fazer tudo" para se "livrar do problema" denunciado pela Agência Mundial Antidopagem, que recomendou à Associação Internacional das Federações de Atletismo (IAAF) a exclusão da Rússia de todas as competições internacionais, nomeadamente os Jogos Olímpicos Rio2016.

"Devemos conduzir a nossa própria investigação interna", disse Putin, apelando ainda aos responsáveis desportivos para que demonstrem "a maior cooperação aberta e profissional com as autoridades antidoping internacionais".

Putin defendeu que as sanções devem ser aplicadas individualmente, tendo em conta que "os atletas que nunca recorrerem ao doping não devem sofrer por aqueles que quebraram as regras", e sublinhou ainda que "o problema não existe apenas na Rússia".

Um relatório da Comissão Independente (CI) da Agência Mundial Antidopagem (AMA), tornado público na segunda-feira, recomenda a suspensão da Federação russa de atletismo, por práticas de doping, assim como a retirada da acreditação ao laboratório de Moscovo, cujo diretor foi responsável pela destruição de 1.417 amostras consideradas suspeitas de práticas dopantes.

O documento elaborado pela comissão acusa também, entre outras coisas, os serviços secretos russos de intimidação dos responsáveis pela análise de amostras recolhidas nos Jogos Olímpicos de Sochi e recomenda, igualmente, a erradicação de cinco atletas e cinco treinadores.

Entre os atletas que a comissão quer ver afastados do atletismo está Mariya Savinova, campeã olímpica dos 800 metros nos Jogos de Londres2012, e Ekaterina Poistogova, bronze na mesma categoria.

A agência mundial criou uma comissão de três elementos, chefiada por Dick Pound, justamente com o objetivo de investigar os casos de doping, trazidos a público por uma estação televisiva alemã em dezembro de 2014.

De acordo com os responsáveis da Comissão, é muito claro que os casos de doping no atletismo russo "não poderiam ter acontecido" sem o conhecimento e consentimento do governo russo.

A AMA quer agora que a Rússia seja impedida de estar nas provas de atletismo dos Jogos do Rio2016, considerando que os resultados de Londres2012 foram "sabotados" pela presença de atletas dopados.

O presidente da IAAF, o britânico Sebastian Coe, vai propor ao conselho diretivo que considere a recomendação da AMA para sancionar a federação russa, numa penalização que poderá levar à suspensão total e retirada dos atletas russos de futuras competições da IAAF.

Lusa

  • Os (maus) hábitos do português ao volante
    1:31

    País

    Os condutores portugueses estão a usar cada vez mais o carro e cada vez menos os transportes públicos. Um inquérito apresentado esta terça-feira pelo Automóvel Clube de Portugal (ACP) mostra que quase metade dos inquiridos admite falar ao telemóvel enquanto conduz e cerca de um quinto já adormeceu ao volante enquanto conduzia.

  • E os nomeados são... conhecidos hoje

    Cultura

    São, esta terça-feira, conhecidos os nomeados para os Óscares. O anúncio vai ser feito a partir de Los Angeles quando forem 13h00 em Lisboa e seguido em direto numa emissão especial da SIC Notícias.

    Aqui a partir das 13:00

  • Centeno promete avançar com reformas para a zona euro
    1:45

    Economia

    Mário Centeno liderou esta segunda-feira a primeira reunião do Eurogrupo. O ministro das Finanças português prometeu pôr mãos à obra para reformar a zona euro e, sem se comprometer com datas, deixou a porta entreaberta à entrada da Bulgária na zona euro.

  • "Shutdown" nos EUA chegou ao fim
    1:05
  • Papa pede perdão a vítimas de abusos por ter usado expressão "menos feliz"
    1:21

    Mundo

    No final da visita à América Latina, já no avião de regresso a Roma, o Papa Francisco pediu desculpa às vítimas de abusos sexuais no Chile. O líder da Igreja católica considerou que utilzou uma expressão menos "feliz" quando saiu em defesa do bispo Juan Barros, exigindo "provas" a quem o acusa de não ter agido.