sicnot

Perfil

Mundo

UNITA diz que ainda há discriminação em Angola ao fim de 40 anos de independência

A UNITA, maior partido da oposição angolana, afirmou esta quarta-feira, em comunicado, que ao fim de 40 anos de independência nacional os angolanos não viram as suas condições de vida melhoradas e que ainda há "discriminação" no país.

"Angola continua a ter uma grande parte da população sem saneamento básico e com dificuldades para obter água potável e energia elétrica, o setor do ensino não consegue absorver todas as crianças em idade escolar e os serviços de saúde são de fraca qualidade e não cobrem todo o território", lê-se na declaração. (Arquivo)

"Angola continua a ter uma grande parte da população sem saneamento básico e com dificuldades para obter água potável e energia elétrica, o setor do ensino não consegue absorver todas as crianças em idade escolar e os serviços de saúde são de fraca qualidade e não cobrem todo o território", lê-se na declaração. (Arquivo)

© SIPHIWE SIBEKO / Reuters

Numa declaração sobre o aniversário da independência de Angola, hoje assinalado, a União Nacional para a Independência Total de Angola (UNITA) sublinha que a liberdade do país, após 500 anos de colonização portuguesa, foi saudada com "muito entusiasmo e expectativas" pelo povo.

Contudo, o partido também sublinha que os angolanos aguardavam não só pela mudança de regime e sistema político, mas também pela melhoria das suas condições de vida, proporcionada por soluções equilibradas para os problemas económicos e de justiça social.

"Angola continua a ter uma grande parte da população sem saneamento básico e com dificuldades para obter água potável e energia elétrica, o setor do ensino não consegue absorver todas as crianças em idade escolar e os serviços de saúde são de fraca qualidade e não cobrem todo o território", lê-se na declaração.

A maior força política da oposição destaca ainda que a taxa de mortalidade continua a ser uma das mais elevadas do mundo e a malária e as doenças diarreicas agudas continuam a provocar milhares de mortos anualmente no país.

"Angola comemora assim, os 40 anos de independência nacional entre o sonho dos precursores da luta pela autodeterminação dos angolanos e a realidade caracterizada pela ignorância, fome, alto índice de mortalidade, subnutrição, pobreza e pela violação dos direitos fundamentais do homem, consagrados na carta magna da República de Angola", é salientado no texto.

A independência angolana foi proclamada a 11 de novembro de 1975 por António Agostinho Neto, líder do Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA) e o primeiro Presidente de Angola, após 14 anos de guerra contra o poder colonial português.

Hoje, refere a UNITA, os angolanos constatam que "tal como na ditadura de Salazar", em que as pessoas eram discriminadas pela cor da pele, na governação do Presidente José Eduardo dos Santos e do MPLA, as pessoas são discriminadas com base na cor política.

"Ao longo dos 40 anos de independência nacional, o povo angolano tem sido sucessivamente desumanizado, enganado, explorado e oprimido, numa realidade constrangedora de um país rico, com uma população miserável. A riqueza beneficia apenas o Presidente da República, a sua família e a oligarquia no poder há 37 anos", acrescenta a posição oficial da UNITA.

Descreve ainda que o sistema político em vigor no país há 40 anos exclui e semeia discórdia entre os filhos da mesma pátria, lamentando que o quadragésimo aniversário da independência foi celebrado "sob o signo da separação, em que não se reconhece, em condições de igualdade, os protagonistas da luta pela independência nacional".

"Álvaro Holden Roberto [fundador da FNLA, outro movimento e libertação] e Jonas Malheiro Savimbi [fundador da UNITA], não obstante a sua participação e contribuição à luta que conduziu Angola à independência, não têm lugar nos discursos oficiais", lamenta o partido na declaração.

Lusa

  • "Cada drama, cada problema, cada testemunho, impressiona muito"
    1:55
  • Clínica veterinária em Tondela recebeu dezenas de animais feridos nos fogos
    2:57

    País

    Tondela foi um dos municípios mais atingidos pelo incêndio, deixando dezenas de animais feridos e perdidos no concelho. Várias clínicas veterinárias são agora um porto de abrigo e, em alguns casos, um ponto de encontro. Muitos dos animais chegaram recolhidos por voluntários e a maior parte dos casos são animais que, no momento de aflição, foram soltos pelos donos e salvos pelo instituto de sobrevivência.

  • Temperaturas sobem até ao final do mês
    1:09

    País

    O tempo não dá tréguas e, até ao final do mês, as temperaturas vão atingir valores acima do normal para esta época do ano. As temperaturas máximas vão subir entre os 25 e os 32 graus. O risco de incêndio aumenta a partir desta segunda-feira em todo o país e os meios aéreos, viaturas, operacionais e equipas de patrulha vão ser reforçados.

  • Maioria das praias do Algarve já não tem nadador-salvador
    2:19

    País

    A lei não obrigada os concessionários a garantir o serviço e, por isso, a esmagadora maioria das praias do Algarve está sem vigilância desde 30 de setembro. Ainda assim, os areais vão atraindo milhares de banhistas com as temperaturas altas que ainda se fazem sentir. Um nadador-salvador recomenda os banhistas a não nadar e, em dias de ondulação, evitar caminhadas à beira-mar.

  • Parlamento catalão vai responder à ativação do artigo 155
    1:54
  • A história por detrás da fotografia que correu (e impressionou) o Mundo

    Mundo

    Depois dos incêndios da semana passada na Galiza, começou a circular na internet e nas redes sociais a imagem de uma cadela que alegadamente levava a sua cria carbonizada na boca. Contudo, a cadela é na verdade macho e chama-se Jacki. Esta é a história do cão que passou os dias após os fogos a recolher animais mortos para os enterrar num campo perto de uma igreja, em Coruxo, Vigo.

    SIC

  • Quando o cão de Macron fez chichi no gabinete do Presidente francês
    0:31