sicnot

Perfil

Mundo

Solidão faz o cérebro funcionar de forma diferente

É o que nos diz um estudo de um grupo de investigadores da Unversidade de Chicago, nos Estados Unidos. O cérebro de quem vive em isolamento social é capaz de desencadear sentimentos negativos que mexem com o sistema nervoso.

© Charles Platiau / Reuters

São pessoas mais negativas, ansiosas, não acreditam em sentimentos positivos. Vivem constantemente em estado de alerta, estão sempre "na defensiva", rejeitam relações sociais, principalmente com estranhos. É assim a solidão.

Agora está provado cientificamente que o cérebro das pessoas solitárias funciona de forma diferente. Está tudo explicado num estudo publicado na revista online Cortex, que analisou inquéritos feitos a 38 pessoas solitárias e 32 que não o eram.

Conta o "The Telegraph" que o casal de investigadores da Universidade de Chicago, Stephanie e John Cacioppo, descobriu que a solidão é capaz de desencadear sentimentos negativos que mexem com o sistema nervoso.

Os inquiridos foram sujeitos a vários testes em que se tinham que concentrar apenas na cor das palavras que estavam escritas numa tela e não no seu significado.

Foram usadas palavras de teor positivo, tais como festa, e negativo, como solidão. Ou palavras positivas sem conotação social, como alegria e tristeza.

Os investigadores repararam que na "primeira resposta" do cérebro, nos primeiros 280 milissegundos (um quarto de segundo), as pessoas solitárias entraram numa série de "microestados". Não se apercebiam do teor social da palavra negativa. Após esse período, passavam a reagir de forma diferente, entrando em estado de alerta.

Já o grupo de pessoas solitárias mostrou os mesmos microestados, mas durante mais tempo: metade de um segundo, cerca de 480 milissegundos.

A diferença parece mínima mas, acreditam os investigadores, prova que as pessoas que vivem em isolamento social, tendem a entrar em estado de vigilância mais rapidamente.

  • Não houve negligência médica no caso do jovem que morreu em São José
    2:33

    País

    Afinal, não houve negligência médica no caso do jovem que morreu há cerca de um ano no Hospital de São José, vítima de um aneurisma. Esta é a conclusão da Ordem dos Médicos e dos peritos do Instituto de Medicina Legal. Segundo o jornal Expresso, todos os relatórios relatórios pedidos pelo Ministério Público e pelo Centro Hospitalar de Lisboa Central dizem que o corpo clínico do hospital não teve responsabilidades na morte de David Duarte.

  • Jovens estariam de fones e poderão não ter ouvido comboio a aproximar-se
    1:47

    País

    As adolescentes, de 13 e 14 anos, encontradas mortas junto à linha do norte perto de Coimbra podem não ter ouvido a aproximação do comboio, uma vez que estariam de auriculares. Os corpos só foram descobertos 36 horas depois do desaparecimento das jovens, aparentemente vítimas de um descuido fatal.

  • Patti Smith engana-se na música de Bob Dylan durante cerimónia dos Nobel
    1:49

    Mundo

    Os prémios Nobel deste ano já foram entregues. Bob Dylan não compareceu à entrega do galardão da Literatura e fez-se representar pela amiga Patti Smith, que teve um bloqueio enquanto cantava "A Hard Rain's A-Gonna Fall" do músico. O Presidente da Colômbia Juan Manuel dos Santos foi distinguido com o Nobel da paz pelo acordo que alcançou com as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia.

  • CIA acredita que Trump foi ajudado por piratas informáticos russos
    1:24

    Eleições EUA 2016

    As eleições nos Estados Unidos da América já terminaram e o Presidente está eleito. Contudo, Barack Obama quer saber se os russos tentaram mesmo influenciar o voto e ao mesmo tempo perceber o que os serviços secretos aprenderam com todas as fugas de informação durante a campanha. Já a CIA diz não ter dúvidas: para os serviços secretos norte-americanos, Donald Trump foi ajudado por piratas informáticos.