sicnot

Perfil

Mundo

Mais de dois milhões de sírios precisam de ajuda humanitária nas zonas do "Estado Islâmico"

Cerca de 2,2 milhões de sírios que precisam de ajuda humanitária vivem nas zonas controladas pelos membros do grupo que se designa por Estado Islâmico (EI), advertiu esta segunda-feira a Organização das Nações Unidas (ONU).

(arquivo)

(arquivo)

© Ammar Abdullah / Reuters

Esta população, que vive "sob o terror e a subjugação" dos membros daquele grupo, representa quase metade do total que precisa de ajuda na Síria, e que está em zonas de difícil acesso, afirmou hoje o chefe da agência da ONU para a assistência humanitária, Stephen O'Brien.

Como faz regularmente, O'Brien compareceu hoje no Conselho de Segurança para dar conta da situação na Síria, onde a guerra provocou "a maior crise humanitária do século XXI", recordou.

Na Síria, cerca de 13,5 milhões de pessoas, incluindo seis milhões de crianças, precisam de assistência, enquanto outros quatro milhões foram forçados a procurar refúgio fora do país, afirmou O'Brien.

Destes, a maior parte está em outros Estados do Médio Oriente e 400 mil atravessaram o Mediterrâneo rumo à Europa.

O responsável pela assistência humanitária da ONU acusou todas as partes do conflito na Síria de ataques indiscriminados contra a população civil, que no último mês provocaram inúmeras vítimas, que podem constituir "crimes de guerra".

Em Alepo, a maior cidade do país, os combates entre as forças do governo e oposicionistas provocaram desde outubro a fuga de pelo menos 50 mil pessoas, se bem que o número possa atingir as 100 mil.

Da mesma forma, os ataques daquele grupo causaram o êxodo de outros 25 mil civis nas zonas rurais de Homs.

As partes em conflito continuam a usar o cerco a cidades como arma de guerra, com cerca de 400 mil pessoas afetadas.

Deste total, 200 mil estão bloqueadas pelo mencionado grupo em Deir ez Zor e quase outras tantas (181.200) estão cercadas pelo governo em Guta e nos subúrbios de Damasco.

Além de O'Brien, também falou a representante especial da ONU para a Violência Sexual em Conflitos, Zainab Hawa Bangura, que denunciou o uso da violação como uma "tática de guerra" por parte da "maioria" dos grupos envolvidos no confronto.

Lusa

  • "Quem faz isto sabe estudar os dias e o vento para arder o máximo possível"
    4:15
  • O balanço trágico dos incêndios do fim de semana
    0:51

    País

    Mais de 500 mil hectares de área ardida, 42 vítimas mortais, 71 de feridos, dezenas de casas e empresas destruídas. É este o balanço de mais um fim de semana trágico para Portugal a nível de incêndios florestais.

  • 2017: o ano em que mais território português ardeu
    1:41

    País

    Desde janeiro, houve mais área ardida do que em qualquer outro ano na história registada de incêndios florestais. Segundo dados provisórios do Sistema Europeu de Informação sobre Fogos Florestais, mais de 519 mil hectares foram consumidos pelas chamas até 17 de outubro, o que representa quase 6% de toda a área de Portugal. 

  • "Viverei com o peso na consciência até ao último dia"
    3:00
  • O que resta de Tondela depois dos incêndios
    1:07

    País

    O concelho de Tondela é agora um mar de cinzas, imagens recolhidas pela SIC com um drone mostram bem a dimensão do que foi destruído pelos incêndios. Perto 100 habitações principais ou secundárias, barracões, oficinas e stands arderam. 

  • Moradores reuniram esforços para salvar idosos das chamas em Pardieiros
    2:50

    País

    O incêndio de domingo em Nelas fez uma vítima mortal: um homem de 50 anos, de Caldas da Felgueira, que regressava de uma aldeia vizinha, onde tinha ido ajudar a combater as chamas. Em Pardieiros, no concelho de Carregal do Sal, várias casas arderam e uma jovem sofreu queimaduras ao fugir do incêndio. Durante o incêndio, pessoas reuniram esforços para salvar a povoação.

  • Cinco unidades fabris em Tondela destruídas pelas chamas
    3:06

    País

    As contas finais dos prejuízos na zona industrial de Tondela ainda não são definitivas, mas há cinco unidades fabris que foram atingidas pelas chamas. O aterro sanitário do Planalto Beirão foi também atingido pelo fogo que atravessou Tondela, onde ardeu o equivalente a 20 anos de resíduos orgânicos.

  • A fotografia que está a correr (e a impressionar) o Mundo

    Mundo

    A fotografia de uma cadela a carregar, na boca, o cadáver calcinado da cria está a comover o mundo. Entre as várias as fotografias que mostram o cenário causado pelos incêndios que devastaram a Galiza nos últimos dias, esta está a causar especial impacto por mostrar, de forma crua, as consequências das chamas. A foto é do fotógrafo Salvador Sas, da agência EFE. A imagem pode impressionar os mais sensíveis.

  • As lágrimas do primeiro-ministro do Canadá

    Mundo

    O primeiro-ministro da Canadá, Justin Trudeau, emocionou-se esta quarta-feira ao falar de um artista que morreu depois de perder uma luta contra o cancro. Gord Downie, vocalista da banda de rock canadiana "The Tragically Hip", faleceu esta terça-feira, aos 53 anos, vítima de um tumor cerebral.