sicnot

Perfil

Mundo

Número de mortes por terrorismo aumenta 80% em 2014

O número de mortes por terrorismo aumentou 80 por cento em 2014 em comparação com o ano anterior, segundo um relatório internacional divulgado hoje, em que se assinala tratar-se do maior aumento anual dos últimos 15 anos.

© Sergio Perez / Reuters

O Global Terrorism Index (Índice do Terrorismo Global - ITG) 2015, realizado pelo Instituto para a Economia e Paz (IEP), sediado em Sydney, indica que o terrorismo continua "muitíssimo concentrado" com 78% das mortes em 2014 a ocorrerem em apenas cinco países -- Afeganistão, Iraque, Nigéria, Paquistão e Síria.

Apesar de concentrado, o terrorismo tem-se alargado a mais países, segundo o estudo, em que se aponta que o número de países com mais de 500 mortes passou de cinco em 2013 para 11 em 2014, um aumento de 120%.

O ITG refere que Somália, Ucrânia, Iémen, República Centro-Africana, Sudão do Sul e Camarões são os seis novos países com mais de 500 mortes devido ao terrorismo.

Também aumentou oito vezes o número de países com pelo menos uma morte atribuída ao terrorismo, para um total de 67. Entre estes estão países da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) como a Áustria, Austrália, Bélgica, Canadá e França.

O estudo sublinha, no entanto, que cerca de 60% dos 162 países que abrange "não registaram qualquer morte por terrorismo em 2014".

Os resultados indicam ainda uma intensificação da ameaça terrorista na Nigéria, que registou "o maior aumento de mortes devido ao terrorismo já registado por qualquer país, um aumento de mais de 300% para 7.512".

Segundo o relatório, ao movimento radical islâmico nigeriano Boko Haram, que atua na Nigéria desde 2009, juntou-se em 2014 outro grupo terrorista, os militantes Fulani, que mataram 1.229 pessoas.

O Boko Haram "tornou-se o grupo terrorismo mais mortífero do mundo", refere o ITG, precisando que o número de mortes atribuídas ao Boko Haram em 2014 é de 6.664, enquanto o movimento extremista Estado Islâmico (EI) é considerado responsável por 6.073 mortes no mesmo ano.

EI e Boko Haram são responsáveis por 51% das mortes atribuídas a um grupo terrorista, adianta o estudo.

O ITG assinala ainda que, reproduzindo o aumento do terrorismo, aumentou significativamente o seu custo económico, que "atingiu o seu nível mais elevado de sempre em 2014, 52.9 mil milhões de dólares (49.5 mil milhões de euros)".

"Isto é mais 61% do que no ano anterior e significa que aumentou 10 vezes mais desde 2000", indica o estudo.

Apesar dos dados sobre terrorismo que apresenta no relatório, o Instituto para a Economia e Paz considera "importante colocá-los em contexto com outras formas de violência" e nota que "pelo menos 437.000 pessoas são assassinadas anualmente, o que é 13 vezes mais do que o número de vítimas do terrorismo".

Lusa

  • PJ faz buscas no Benfica sobre o caso dos emails

    Desporto

    A Polícia Judiciária está a fazer buscas em instações no Benfica devido ao caso dos emails divulgado pelo diretor de comunicação do FC Porto, Francisco J. Marques. Contactado pela SIC, o clube da Luz disse primeiro desconhecer a ação, mas mais tarde confirmou a presença da PJ.

    Em atualização

  • Governo prepara pacote de medidas para matas ardidas

    País

    O Governo vai preparar um pacote de medidas para as matas nacionais afetadas pelos incêndios, que passa pela elaboração de um relatório de ocorrências, por um programa de intervenção e pela aplicação da receita da madeira nessas matas.

  • "Viverei com o peso na consciência até ao último dia"
    3:00
  • Acabou o estado de graça

    Sá Carneiro dizia que qualquer Governo tem direito a um estado de graça de 100 dias. E que, depois disso, já não tem margem para deitar culpas ao Governo anterior. O discurso de Marcelo, no terreno, junto das vítimas, e não na torre de marfim de Belém, marca o tal "novo ciclo" que o Presidente há muito tinha anunciado, com data marcada: depois das autárquicas.

    Pedro Cruz

  • "O primeiro-ministro falhou em toda a linha"
    4:36

    Opinião

    Miguel Sousa Tavares não acredita que a ministra da Administração Interna se despediu: "ela foi demitida pela Presidente ontem à noite publicamente". No Jornal da Noite, esta quarta-feira, o comentador da SIC declarou que o primeiro-ministro "falhou em toda a linha" e questionou se António Costa tinha a "coragem política de fazer o que é preciso". Sobre os incêndios, Miguel Sousa Tavares disse ainda que o maior problema não era haver reacendimentos, mas sim "não serem logo apagados e propagarem-se".

    Miguel Sousa Tavares

  • 2017: o ano em que mais território português ardeu
    1:41
  • O que resta de Tondela depois dos incêndios
    1:07
  • Leiria perdeu 80% do Pinhal nos incêndios
    1:51
  • A fotografia que está a correr (e a impressionar) o Mundo

    Mundo

    A fotografia de uma cadela a carregar, na boca, o cadáver calcinado da cria está a comover o mundo. Entre as muitas fotografias que mostram o cenário causado pelos incêndios que devastaram a Galiza nos últimos dias, esta está a causar especial impacto. O registo é do fotógrafo Salvador Sas, da agência EFE. A imagem pode impressionar os mais sensíveis.

  • O balanço trágico dos incêndios do fim de semana
    0:51
  • "O povo exige um novo ciclo"
    1:10

    Tragédia em Pedrógão Grande

    A Associação de Vítimas do Incêndio de Pedrógão Grande exige que o primeiro-ministro faça um pedido de desculpas público às famílias das vítimas dos incêndios. A Presidente da Associação pede ainda a demissão do comando da Autoridade Nacional de Proteção Civil. Após a reunião desta quarta-feira com António Costa, Nádia Piazza anunciou que o Governo assume as mortes de junho passado e chegou a acordo com os familiares das vítimas.

  • Há um novo livro de Astérix

    Astérix

    Dois anos depois do último álbum, chega hoje às livrarias a 37ª aventura de Astérix. Em "Astérix e a Transitálica", os gauleses rumam à Península Itálica.