sicnot

Perfil

Mundo

Ativistas em julgamento em Luanda acusados por escreverem nas fardas da cadeia

O Ministério Público angolano pretende acusar cinco dos 17 ativistas que estão a ser julgados em Luanda por alegada preparação de uma rebelião, do crime de danos, por terem escrito frases de intervenção na farda dos serviços prisionais.

A informação foi confirmada hoje à Lusa pelo advogado David Mendes, um dos quatro causídicos que asseguram a defesa destes arguidos, 15 dos quais em prisão preventiva desde junho, e que já na segunda-feira - no início deste julgamento e o único dia aberto à comunicação social -, se tinham apresentado em tribunal com várias frases escritas na farda, contestando o Presidente angolano, José Eduardo dos Santos.

"Foram levantados processos-crime a cinco dos réus por danos, uma vez que escreveram nas camisolas dos serviços prisionais. No entender da procuradora do Ministério Público, as camisolas são propriedade do Estado e vão ser agora extraídas certidões", explicou David Mendes, relatando a informação transmitida hoje no tribunal.

Entre os ativistas acusados deste crime de dano, acrescentou o advogado, está o 'rapper' luso-angolano Luaty Beirão, que para contestar este processo chegou a realizar uma greve de fome durante 36 dias.

"Recluso do Zédu", "in dubio pro reo [princípio da presunção da inocência, por estarem detidos desde junho]" ou "Nenhuma ditadura impedirá o avanço de uma sociedade para sempre" foram algumas das frases que a Lusa observou escritas na farda dos ativistas e que se terão repetido na terça-feira e hoje.

Estes 17 jovens estão acusados, entre outros crimes menores, da coautoria de atos preparatórios para uma rebelião e um atentado contra o Presidente angolano.

O julgamento arrancou na segunda-feira, na 14.ª Secção do Tribunal Provincial de Luanda, em Benfica, e cumpriu hoje a segunda sessão sem a presença dos jornalistas.

De acordo com o advogado David Mendes, esta terceira sessão ficou ainda marcada por um incidente com o arguido Hitler Jessy Chivonde, encontrado desmaiado no carro celular em que foi transportado até ao tribunal.

"Era um carro celular fechado, sem ar, e esteve quase uma hora desmaiado", lamentou o advogado.

Este arguido foi precisamente o segundo dos 17 a ser ouvido pelo tribunal, audição que terminou hoje e que coloca de parte a possibilidade de o julgamento terminar na sexta-feira, como estava previsto.

"É impossível, porque só foram ouvidas duas pessoas até agora. Todos os réus têm de ser ouvidos, por isso o julgamento vai continuar", garantiu.

No relato do advogado, a sessão de hoje ficou marcada pela apresentação de "muitos requerimentos", nomeadamente com a defesa a denunciar a "falsidade" de um documento da investigação, com o relatório da alegada atividade do grupo de ativistas e que serviu de base à acusação, além de um plano estratégico de ações a desencadear pelos mesmos arguidos, no âmbito da referida tentativa de rebelião.

Essa informação, acusa o advogado, não possuía qualquer identificação sobre a autoria da mesma e terá resultado da consulta dos computadores dos arguidos.

"Que por sua vez foram abertos sem a presença dos advogados e dos réus. Por isso, ninguém conseguiu aferir a veracidade desses documentos", enfatizou.

A quarta sessão deste julgamento, que decorre sob fortes medidas de segurança no tribunal de Benfica, está agendada para quinta-feira, às 09:00 (08:00 em Lisboa).

Lusa

  • "Cada drama, cada problema, cada testemunho, impressiona muito"
    1:55
  • Clínica veterinária em Tondela recebeu dezenas de animais feridos nos fogos
    2:57
  • Temperaturas sobem até ao final do mês
    1:09

    País

    O tempo não dá tréguas e, até ao final do mês, as temperaturas vão atingir valores acima do normal para esta época do ano. As temperaturas máximas vão subir entre os 25 e os 32 graus. O risco de incêndio aumenta a partir desta segunda-feira em todo o país e os meios aéreos, viaturas, operacionais e equipas de patrulha vão ser reforçados.

  • Parlamento catalão vai responder à ativação do artigo 155
    1:54
  • A história por detrás da fotografia que correu (e impressionou) o Mundo

    Mundo

    Depois dos incêndios da semana passada na Galiza, começou a circular na internet e nas redes sociais a imagem de uma cadela que alegadamente levava a sua cria carbonizada na boca. Contudo, a cadela é na verdade macho e chama-se Jacki. Esta é a história do cão que passou os dias após os fogos a recolher animais mortos para os enterrar num campo perto de uma igreja, em Coruxo, Vigo.

    SIC

  • Docentes que ficaram indevidamente fora dos concursos ainda não foram colocados
    1:12

    País

    O Sindicato dos Professores do Norte diz que ainda há docentes à espera de serem colocados. Depois de terem contestado os erros nos processos concursais e de lhes ter sido dada razão, uma centena de docentes ainda não está a dar aulas. Para o sindicato, é inadmissível que os docentes paguem pelos erros do Ministério da Educação e exigem que se faça justiça.

  • Quando o cão de Macron fez chichi no gabinete do Presidente francês
    0:31
  • 245 saltam de ponte de 30m no Brasil para Recorde do Guiness
    1:56