sicnot

Perfil

Mundo

Daesh anuncia execução de refém chinês e norueguês

O grupo extremista Daesh ("Estado Islâmico") anunciou esta quarta-feira ter executado dois reféns, um chinês e um norueguês, dois meses depois de ter pedido resgate para a libertação de ambos.

(Arquivo)

(Arquivo)

© Reuters TV / Reuters

A revista de língua inglesa do grupo 'jihadista', Dabiq Magazine, publicou fotos de dois cadáveres ensanguentados que pareciam ser do refém chinês Fan Jinghui e do norueguês Ole-Johan Grimsgaard-Oftsad.

Os corpos foram fotografados ao lado de fotos dos reféns vendados, aparentemente tiradas pouco antes da sua execução.

Numa legenda tipo carimbo, colocada em diagonal na página, sobre a foto, lê-se "Executado depois de ser abandonado pelas nações e organizações kafir (infiéis)".

Não ficou claro como é que foram mortos, mas as suas cabeças estavam ensanguentadas devido a aparentes ferimentos de bala.

Foi o 12.º número da publicação do EI, um dos muitos braços da máquina mediática da organização 'jihadista' multilingue.

Jinghui e Grimsgaard-Oftsad tinham já aparecido na revista, na edição de setembro, na qual o grupo extremista pedia uma quantia não especificada pela sua libertação.

Nem essa edição nem aquela que foi hoje publicada forneciam pormenores sobre onde e quando os dois homens foram capturados, mantidos presos e mortos.

Jinghui era um consultor de 50 anos e Grimsgaard-Ofstad, de 48 anos, estava ligado a uma universidade em Trondheim.

Lusa

  • Temperaturas sobem no fim de semana, risco de incêndio aumenta
    1:08
  • Reveladas escutas telefónicas entre Sócrates e Ricardo Salgado
    2:39

    Operação Marquês

    Após ser detido em 2014, Ricardo Salgado recebeu uma chamada de José Sócrates a dar o seu apoio. Nas escutas é possível perceber que o antigo primeiro-ministro fala de admiração pelo ex-banqueiro, depois de Sócrates ter garantido, na semana passada na RTP, que a relação com Ricardo Salgado era apenas institucional. Noutra conversa de Sócrates, desta vez com o advogado Daniel Proença de Carvalho, o ex-primeiro-ministro criticou Marcelo Rebelo de Sousa, quando este ainda era comentador e tinha comentado a queda do BES.