sicnot

Perfil

Mundo

Dias mais curtos aumentam agressividade nas mulheres

Os dias de Inverno com menos horas de luz provocam reações comportamentais diferentes em fêmeas e machos. De acordo com uma investigação norte-americana, o mecanismo hormonal nos dois sexos não é igual e, nas mulheres, provoca maior agressividade.

Reuters

Os investigadores da Universidade de Indiana, nos EUA, descobriram que o sistema hormonal de fêmeas hamster reage de forma diferente dos machos, tornando-as mais agressivas. Este estudo, publicado em Proceedings of the Royal Society B, avança assim no conhecimento da ligação entre certas hormonas sexuais e a agressão e ajudará na investigação e tratamento de agressividade nos seres humanos.

"Os resultados mostram pela primeira vez que a melatonina age diretamente nas glândulas supra renais das fêmeas, desencadeando 'agressão sazonal' - num processo diferente do acontece com os homens", disse um dos autores do estudo Nikki Rendon ao site EurekAlert da AAAS.

A investigação foi realizada com hamsters Phodopus sungorus, uma espécie que tem um sistema endócrino semelhante ao dos seres humanos. 130 hamsters estiveram expostos a dias longos durante uma semana, depois, 45 foram expostos a dias mais curtos durante 10 semanas.

Quando confrontadas com um intruso, as fêmeas que viveram nos dias mais curtos demonstraram mais agressividade e alterações nas glândulas supra renais. As outras fêmeas não demonstraram nem o comportamento nem as alterações no organismo.

"É cada vez mais claro que as hormonas sexuais desempenham um papel importante no controlo da agressão, tanto em fêmeas como em machos - mas as fêmeas - humanas ou não - são poucas vezes alvo de estudos científicos", confessa Nikki Rendon. "Ao focarmos esta investigação nas fêmeas, estamos a aumentar o nosso conhecimento sobre as hormonas e os comportamentos sociais num campo atualmente dominado pelas discussões sobre a testosterona que regula a agressão nos machos", conclui o investigador.

  • Cientistas testam útero artificial em cordeiros prematuros

    Mundo

    Um grupo de cientistas desenvolveu um útero artificial - o Biobag - que se assemelha a uma bolsa de plástico e que ajuda no desenvolvimento de cordeiros prematuros. O método foi testado nestes animais mas os cientistas do Hospital Pediátrico de Filadélfia, nos Estados Unidos, garantem que poderá vir a ser utilizado também em bebés que nascem prematuros.

  • Trump cria linha de apoio a vítimas de "extraterrestres criminosos"

    Mundo

    Quando o Governo norte-americano usa o termo "extraterrestre criminoso", refere-se a alguém que não é cidadão dos Estados Unidos da América e que foi condenado por um crime. Quando a mesma expressão é usada pelos utilizadores do Twitter, o significado é completamente diferente. Os internautas pensam na série Ficheiros Secretos e em discos voadores. Por isso, o lançamento de uma linha telefónica, por parte da Casa Branca, para as vítimas de "extraterrestres criminosos" só podia dar em confusão.

  • Casados há 69 anos, morrem de mãos dadas com 40 minutos de diferença

    Mundo

    Isaac Vatkin, de 91 anos, morreu cerca de 40 minutos depois de Teresa, de 89 anos, no passado sábado no Highland Park Hospital, no estado norte-americano Ilinóis. "Não queríamos que fossem embora, mas não podíamos pedir que partíssem de melhor maneira", afirmou o neto William Vatkin. O casal morreu no hospital poucos dias depois de celebrarem 69 anos de casados.