sicnot

Perfil

Mundo

Coreia do Sul aceita proposta do Norte para conversações preliminares

A Coreia do Sul aceitou hoje a realização de conversações preliminares, de preparação para um encontro de alto nível, proposta pela Coreia do Norte, de acordo com o Ministério da Unificação de Seul, citado pela agência oficial chinesa, Xinhua.

© KCNA KCNA / Reuters

O Ministério da Unificação, responsável pela gestão das relações entre as duas Coreias, aceitou, assim, que estas negociações decorram no dia 26 deste mês, na Tongil House, um edifício administrativo na localidade fronteiriça de Panmunjom.

A Coreia do Norte tinha avançado com a proposta, no seguimento do acordo entre os dois países em agosto.

Após uma escalada da tensão militar, as duas Coreias chegaram a um acordo no verão que inclui o compromisso de retomar as negociações de alto nível.

De acordo com os termos desse acordo, Seul desligou os altifalantes com mensagens de propaganda na fronteira, depois de o Norte lamentar as explosões que feriram dois soldados sul-coreanos.

A Coreia do Sul interpretou o lamento como um "pedido de desculpas", mas a Comissão Nacional de Defesa do Norte já veio sublinhar que apenas desejava expressar compreensão e simpatia.

Lusa

  • Um retrato devastador do "pior dia do ano"
    2:47
  • Um olhar sobre a tragédia através das redes sociais
    3:22
  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18