sicnot

Perfil

Mundo

Damasco qualifica abate de avião russo como "agressão flagrante"

As Forças Armadas sírias consideraram hoje o abate de um avião russo pela Turquia uma "agressão flagrante à soberania da Síria" e uma demonstração de apoio "ao terrorismo", noticiou a agência oficial Sana.

© Bassam Khabieh / Reuters

"Numa agressão flagrante à soberania síria, o lado turco abateu hoje de manhã um avião russo amigo sobre território sírio que regressava de uma missão de combate contra o Daesh", disse uma fonte militar à agência, usando o acrónimo do grupo extremista Estado Islâmico na transliteração do árabe.

O incidente "demonstra sem dúvida que o governo turco se coloca ao lado do terrorismo e apoia os grupos terroristas que começaram a desintegrar-se sob os golpes do exército sírio", acrescentou a fonte.

"Estes atos desesperados de agressão só vão reforçar a nossa determinação de prosseguir a luta contra organizações terroristas com o apoio e a ajuda dos nossos amigos, o principal dos quais é a Rússia".

A Turquia anunciou hoje que dois dos seus caça-bombardeiros F-16 abateram um SU-24 russo que violou o espaço aéreo turco dez vezes num período de cinco minutos ao longo da fronteira com a Síria, ignorando todas as advertências.

A Rússia lançou a 30 de setembro uma campanha de bombardeamentos aéreos na Síria.

Lusa

  • A fuga dos PIDES
    20:08
  • Dominado incêncio no centro de tratamento de resíduos da Tratolixo
    1:55

    País

    O fogo na Tratolixo, em Trajouce, deflagrou esta segunda-feira à noite. As chamas foram controladas a meio da manhã pelos bombeiros. No local estão 133 operacionais, apoiados por 51 veículos. O fogo não fez vítimas nem danos materiais. O vento dificultou o combate às chamas.

  • Duas execuções no mesmo dia pela primeira vez em 17 anos nos EUA

    Mundo

    O estado norte-americano do Arkansas (sul) executou, na noite de segunda-feira, dois condenados à morte, o que sucede pela primeira vez em 17 anos no país, anunciou a procuradora-geral daquele estado. Jack Jones e Marcel Williams, condenados separadamente na década de 1990 à pena capital por violação e assassínio, receberam uma injeção letal depois de diferentes tribunais terem rejeitado os respetivos recursos, afirmou Leslie Rutledge, em comunicado.