sicnot

Perfil

Mundo

Ahhhhranha, gritou ele!

A polícia foi chamada de madrugada, no início de nobembro, a um bairro residencial, perto de Sidney, por causa de gritos e ameaças de morte vindos de um apartamento. As autoridades imaginaram que se tratava de um caso de violência doméstica. Mas não. Era uma aranha.

Aranha-caçadora da Autrália

Aranha-caçadora da Autrália

© Tim Wimborne / Reuters

"Vou matar-te. Estás morta. Morre. Morre!". Ao mesmo tempo ouviam-se gritos e objetos a embater contra objetos.

Os vizinhos chamaram a polícia a denunciar o que parecia ser um caso de violência doméstica. Minutos depois vários carros e agentes cercaram o apartamento.

Polícia: "Onde está a sua mulher?

Homem: "Hum... Não tenho!"

Polícia: "Onde está a sua namorada?"

Homem; "Hum... Não tenho!"

Polícia: "Recebemos uma queixa de violência doméstica e de uma mulher que estaria aos gritos!"

Homem: "Não sei do que fala. Eu vivo sozinho!"

Nesta altura, contam os agentes, o homem sentiu-se envergonhado e confessou:

Homem: "Era só uma aranha!"

Polícia: "Desculpe?"

Homem: "Era uma aranha. E uma bem grande!"

Polícia: "E a mulher a gritar?

Homem: "Era eu. Detesto aranhas!"


A polícia, que relatou este caso no Facebook, não especificou a aranha causadora deste episódio, Terá sido certamente uma das 135 espécies de aranhas. Existem algumas muito venenosas, como as aranhas da família Hexathelidae e a espécie Latrodectus hasseltii, como a aranha-de-costas-vernelhas e a viúva negra cujas mordeduras podem ser fatais para o homem.

A Austrália é também o país onde chovem aranhas. Numa certa manhã de maio, os habitantes de Goulburn acordaram com as casas e terrenos envolvidos por gigantescas teias de aranhas, sendo visíveis milhões de aranhas bebé.

  • A menina síria que relata a guerra no Twitter está bem, diz o pai

    Mundo

    Bana Alabed, a menina síria de 7 anos que conta no Twitter a luta pela sobrevivência e os horrores da guerra em Alepo, teve de abandonar a sua casa que foi bombardeada mas está bem, disse hoje o seu pai à Agência France Press. A conta esteve fechada desde domingo, mas foi entretanto reativada e tem hoje uma nova publicação de Bana.

  • Parkinson pode ter início nos intestinos

    Mundo

    Um novo estudo científico vem revelar que a doença de Parkinson pode não estar apenas no cérebro. A doença pode ter início nos intestinos e mais tarde migrar para o cérebro.