sicnot

Perfil

Mundo

Detido suspeito de venda de armas usadas nos atentados de Paris

ÚLTIMA HORA

A polícia alemã deteve um traficante de armas alemão suspeito de ter vendido, via Internet, quatro armas utilizados pelos autores dos atentados de Paris, escreve hoje o jornal alemão Bild.

© Michael Dalder / Reuters

As armas automáticas, do tipo 'kalachnikov' -- duas Zastava M70 e duas AK47 -- foram adquiridas a 07 de novembro passado através da Internet a um vendedor alemão domiciliado em Bade-Wurtemberg (sudoeste), afirma o jornal, citando "documentos" do Ministério Público de Estugarda (sudoeste) e investigadores alemães.

Segundo o Bild, os investigadores franceses "partiram do princípio que essas armas terão sido alegadamente usadas nos atentados de Paris", de 13 de novembro, cuja autoria foi reivindicada pelo grupo extremista Estado Islâmico e que fez 130 mortos e mais de 350 feridos.

O presumível traficante de armas, residente em Magstadt (sudoeste), identificado como Sascha W., de 34 anos, detido pela polícia alemã no dia 16 de novembro, é suspeito de venda de armas e munições na chamada "Darknet", segundo o jornal.

'Emails' no seu 'smartphone' mostram que vendeu "quatro 'kalachnikovs' a um árabe em Paris", escreve ainda o Bild, indicando que foram apreendidas 16 armas durante rusgas a sua casa.

  • Fuzileiros continuam no terreno a ajudar população
    3:03
  • Família Obama de férias na Indonésia

    Mundo

    Das águas claras de Bali aos encantos dos templos de Java, o antigo Presidente norte-americano Barack Obama levou a esposa e as filhas de férias numa aventura de (re)descobertas por um país onde Obama viveu durante quatro anos da sua infância.

    SIC

  • NotPetya: Lourenço Medeiros explica o novo ciberataque global
    2:44
  • Desacatos no aeroporto de Faro deixam turistas britânicos em terra
    1:46

    País

    Cinco pessoas, que integravam o grupo de turistas britânicos que nos últimos dias causou desacatos em Albufeira, foram ontem impedidas de regressar a Inglaterra. Agressões no aeroporto e desacatos à entrada do avião levaram os comandantes de dois voos a recusar levar aqueles passageiros.