sicnot

Perfil

Mundo

Japão quer concentrar 500 militares perto das ilhas disputadas com a China

Japão planeia concentrar um contingente de 500 militares na ilha de Ishigaki, no sudoeste do país, próxima do polémico arquipélago Senkaku, epicentro de uma diferendo territorial com a China.

© Reuters Staff / Reuters

O Japão pretende instalar aquela unidade das suas Forças de Autodefesa (exército) a partir de 2019, informa hoje o jornal Asahi, citando fontes do Ministério da Defesa.

O contingente funcionaria como equipa de resposta rápida em caso de ser detetada uma infiltração de tropas estrangeiras e, ao mesmo tempo, teria como tarefa a operação e manutenção de um sistema de mísseis que se pretende instalar na ilha, que tem cerca de 48.000 habitantes e é um popular destino turístico.

Ishigaki, da qual dependem administrativamente as Senkaku (Diaoyu em chinês), encontra-se a aproximadamente uma centena e meia de quilómetros a sul de Uotsuri, o maior ilhote do controverso arquipélago.

Situadas no Mar do Sul da China, a cerca de 150 quilómetros a nordeste de Taiwan, as disputadas e desabitadas Senkaku têm, no total, uma superfície de cerca de sete quilómetros quadrados, mas estima-se que alberguem importantes recursos marinhos e energéticos.

O Japão tem apostado em reforçar as suas capacidades militares em torno das Senkaku devido ao recrudescimento da disputa com a China, em particular a partir de 2012, quando Tóquio decidiu nacionalizar vários ilhotes, desencadeando o protesto de Pequim.

Desde então, navios chineses têm navegado nas águas, que o Japão considera territoriais, em torno das Senkaku, entre quatro e 28 vezes por mês, segundo dados da guarda costeira nipónica.

No quadro do plano de reforço militar, o Japão está a construir uma base para acolher 150 militares na ilha vizinha de Yonaguni, a porção de terra habitada mais ocidental do arquipélago japonês, e prepara o desembarque de mais tropas nas de Miyakojima e Amami-Oshima, também no sudoeste do país.

Lusa

  • As zonas de guerra que o fogo deixou
    3:13

    País

    A chuva finalmente ajudou na luta contra as chamas e o que fica agora é um cenário de devastação no norte e centro do país. Morreram 37 pessoas, arderam centenas de casas e empresas e há críticas severas à falta de meios.

  • CDS avança com moção de censura ao Governo

    País

    A líder do CDS anunciou hoje que o partido vai apresentar uma moção de censura ao Governo, na sequência dos incêndios que fizeram 37 mortos desde domingo, quatro meses depois da tragédia de Pedrógão Grande.

    Em atualização

  • O mapa das vítimas dos incêndios
    1:19

    País

    Aumentou para 37 o número de mortes na sequência dos fogos que assolaram a zona Centro do país desde o fim de semana. Feridos são pelo menos 71. Atualizamos aqui o mapa, segundo o último balanço da Proteção Civil.

  • Visto do céu, Portugal é um país que se vestiu de negro
    3:28
  • Homem morreu ao tentar salvar animais das chamas
    2:30
  • "Estou a ficar sem água, vai ser um trabalho inglório"
    1:06
  • Há uma semana que as florestas ardem na Califórnia
    1:34