sicnot

Perfil

Mundo

Al-Assad acusa França de apoiar terroristas

O Presidente sírio, Bashar al-Assad, acusou a França de "apoiar o terrorismo" e afirmou que considerava Praga um possível local para assinar um acordo de paz que acabasse com a guerra civil no seu país.

© Sana Sana / Reuters

Em declarações transmitidas hoje pela televisão checa, em antecipação de uma entrevista que vai ser transmitida na terça-feira, al-Assad respondia a uma pergunta sobre se admitia assinar na capital checa um acordo de paz, como sugerido pelo Presidente da República Checa, Milos Zeman, em setembro passado.

"Naturalmente. Se perguntar aos sírios, eles dir-lhe-ão que não querem uma conferência de paz em França, por exemplo, porque a França apoia o terrorismo e a guerra, não a paz", disse à televisão pública CT, acrescentando: "E se mencionar Praga, seria bem acolhido, porque o vosso país tem tido uma posição equilibrada".

Enquanto último posto avançado diplomático ocidental na Síria, a embaixada checa tornou-se uma plataforma para contactos confidenciais entre os EUA e a União Europeia com o regime de Damasco, entre vários movimentos relacionados com a negociação do fim da guerra civil, que dura há quatro anos.

A França tem sido inflexível na sua oposição a al-Assad, classificando-o como um "carniceiro" do seu próprio povo e hoje o ministro dos Negócios Estrangeiros francês, Laurent Fabius, afirmou que trabalhar com o Exército sírio na luta contra o grupo radical Estado Islâmico era uma possibilidade que não se punha até que Assad saísse do poder.

Lusa

  • Quando se pode circular pela esquerda? A GNR explica (e fiscaliza)
    5:46

    Edição da Manhã

    A regra aplica-se a autoestradas e outras vias com esse perfil mas dentro das localidades há exceções. A Guarda Nacional Republicana está a promover em todo o território nacional várias ações de sensibilização e fiscalização no sentido de prevenir e reprimir a circulação de veículos pela via do meio ou da esquerda quando não exista tráfego nas vias da direita. O major Paulo Gomes, da GNR, esteve na Edição da Manhã. 

  • O pedido de desculpas de Dijsselbloem
    2:12

    Mundo

    O Governo português continua a mostrar a indignação que diz sentir perante as declarações do presidente do Eurogrupo. O ministro dos Negócios Estrangeiros português garante que com Dijsselbloem "não há conversa possível". Jeroen Dijsselbloem começou por recusar pedir desculpa mas depois cedeu perante a onda de indignação.

  • A primeira vez do Sr. Árbitro
    12:41