sicnot

Perfil

Mundo

Contacto com primeira língua na infância prepara cérebro para aprender novas línguas

O contacto, ainda que breve, com uma língua, na infância, influencia a forma como o cérebro processa os sons de uma segunda língua, numa etapa posterior da vida, mesmo quando a primeira língua aprendida já não é falada.

Os cientistas acreditam que a primeira experiência com uma língua tem, mais tarde, influência na organização do cérebro, assim como na capacidade de o cérebro se adaptar a ambientes de uma nova língua e ser hábil numa nova língua. (Arquivo)

Os cientistas acreditam que a primeira experiência com uma língua tem, mais tarde, influência na organização do cérebro, assim como na capacidade de o cérebro se adaptar a ambientes de uma nova língua e ser hábil numa nova língua. (Arquivo)

© Andrea Comas / Reuters

A conclusão consta num estudo, hoje publicado na revista Nature Communications, conduzido por investigadores da Universidade McGill e do Instituto Neurológico de Montreal, no Canadá.

Os cientistas acreditam que a primeira experiência com uma língua tem, mais tarde, influência na organização do cérebro, assim como na capacidade de o cérebro se adaptar a ambientes de uma nova língua e ser hábil numa nova língua.

A investigação tem, de acordo com os seus autores, implicações na compreensão do funcionamento do cérebro e pode ser um contributo para práticas educativas orientadas para diferentes estudantes de línguas.

A equipa de cientistas pediu a três grupos de crianças e jovens, entre os 10 e os 17 anos, com antecedentes linguísticos diferentes, para desempenharem uma tarefa que incluía a identificação de pseudopalavras francesas, como "vapagne" e "chansette".

Um dos grupos integrava menores que nasceram e cresceram no seio de famílias que só falavam francês, enquanto outro incluía crianças chinesas que foram adotadas, antes dos 3 anos, por famílias francesas e que, a partir dessa altura, deixaram de falar chinês e passaram a ouvir e a falar francês.

Um terceiro grupo era constituído por menores fluentes em chinês e francês.

Ao mesmo tempo que as crianças respondiam ao desafio lançado pela equipa do estudo, os cientistas viam, socorrendo-se à técnica de imagem por ressonância magnética funcional, que partes dos seus cérebros estavam ativadas.

Apesar de todos os grupos terem desempenhado de igual modo a tarefa que lhes foi pedida, as áreas dos cérebros ativadas foram diferentes entre os menores que só falavam francês e os que eram bilingues em francês e chinês ou que aprenderam chinês na infância e deixaram de falar a língua.

Os investigadores descobriram que as crianças chinesas que foram adotadas por famílias que só falavam francês, e que deixaram de falar chinês, tinham cérebros que processavam a nova língua, neste caso o francês, de forma idêntica à das crianças bilingues.

"No primeiro ano de vida, enquanto primeiro passo para o desenvolvimento linguístico, os cérebros das crianças estão muito atentos à recolha e ao armazenamento de informação sobre sons que são relevantes e importantes para a língua que ouvem", assinalou a autora principal do estudo, Lara Pierce, da Universidade McGill, em Montreal, no Canadá.

"O que descobrimos, quando testámos as crianças que foram adotadas por famílias francesas e deixaram de falar chinês, foi que, tal como as crianças que eram bilingues, as áreas do cérebro conhecidas por estarem envolvidas na memória e na atenção foram ativadas", acrescentou, citada numa nota da universidade.

Os investigadores estão agora interessados em saber se áreas semelhantes do cérebro serão ativadas se as línguas que foram "perdidas" e "conquistadas" por crianças adotadas forem, por exemplo, não o chinês e o francês, mas o francês e o espanhol, línguas mais próximas, com origem no latim.

Lusa

  • Os "500 Erros Mais Comuns da Língua Portuguesa"
    5:20

    País

    "500 Erros Mais Comuns da Língua Portuguesa" é o nome do livro da linguista Sandra Duarte Tavares, que acaba de ser publicado. Professora de Língua Portuguesa há 15 anos, Sandra foi recolhendo erros junto dos alunos e também dos media, e pretende, com esta publicação, ajudar os portugueses a falar e escrever melhor.

  • Não houve negligência médica no caso do jovem que morreu em São José
    2:33

    País

    Afinal, não houve negligência médica no caso do jovem que morreu há cerca de um ano no Hospital de São José, vítima de um aneurisma. Esta é a conclusão da Ordem dos Médicos e dos peritos do Instituto de Medicina Legal. Segundo o jornal Expresso, todos os relatórios relatórios pedidos pelo Ministério Público e pelo Centro Hospitalar de Lisboa Central dizem que o corpo clínico do hospital não teve responsabilidades na morte de David Duarte.

  • Jovens estariam de fones e poderão não ter ouvido comboio a aproximar-se
    1:47

    País

    As adolescentes, de 13 e 14 anos, encontradas mortas junto à linha do norte perto de Coimbra podem não ter ouvido a aproximação do comboio, uma vez que estariam de auriculares. Os corpos só foram descobertos 36 horas depois do desaparecimento das jovens, aparentemente vítimas de um descuido fatal.

  • Patti Smith engana-se na música de Bob Dylan durante cerimónia dos Nobel
    1:49

    Mundo

    Os prémios Nobel deste ano já foram entregues. Bob Dylan não compareceu à entrega do galardão da Literatura e fez-se representar pela amiga Patti Smith, que teve um bloqueio enquanto cantava "A Hard Rain's A-Gonna Fall" do músico. O Presidente da Colômbia Juan Manuel dos Santos foi distinguido com o Nobel da paz pelo acordo que alcançou com as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia.

  • CIA acredita que Trump foi ajudado por piratas informáticos russos
    1:24

    Eleições EUA 2016

    As eleições nos Estados Unidos da América já terminaram e o Presidente está eleito. Contudo, Barack Obama quer saber se os russos tentaram mesmo influenciar o voto e ao mesmo tempo perceber o que os serviços secretos aprenderam com todas as fugas de informação durante a campanha. Já a CIA diz não ter dúvidas: para os serviços secretos norte-americanos, Donald Trump foi ajudado por piratas informáticos.