sicnot

Perfil

Mundo

Investigador fabrica sensor para ajudar a perceber que alimentos faltam na despensa

Investigadores do programa MIT Portugal desenvolveram um pequeno sensor que, colocado nas embalagens de alimentos, pode ajudar os consumidores a perceber se têm determinado produto na despesa ou no frigorífico e qual o seu estado de conservação.

AP

A informação acerca dos alimentos pode ainda ser consultada nos telemóveis, no decorrer das deslocações ao supermercado ou à praça, contribuindo para compras racionais e para a redução do desperdício alimentar.

"É como se fosse um selo de correio, com moléculas muito pequenas que se tornam sensores e reagem a variações de temperatura, exposição à luz e à humidade, assim como a outras propriedades dos alimentos", avançou hoje à agência Lusa Tiago Cunha Reis.

O investigador do programa doutoral MIT Portugal, resultado de uma parceria com a universidade norte-americana MIT, explicou que o "selo de correio" pode ser colocado em qualquer embalagem, seja uma garrafa de vidro ou de cartão, como um pacote de leite.

Tem a capacidade de reter informação sobre a qualidade do produto através da leitura daquelas variáveis, mas também de registar esses dados, o que permite recebe-la comunicando, por exemplo, com um telemóvel, com uma aplicação 'mobile' também já desenvolvida, como especificou Tiago Cunha Reis.

"Em qualquer momento e em qualquer lugar sei qual o produto que tenho e qual o seu estado de conservação", resumiu o investigador que já apresentou o seu trabalho no MIT, nos EUA.

A análise do sensor, relatou, vai além da informação do prazo de validade do alimento, ao ter em conta "todas as variáveis que atuaram sobre o produto, desde o seu ciclo de produção, distribuição e consumo, e faz um cálculo que reflete o seu estado" de conservação, através de uma percentagem de zero a 100 em que 100 é o melhor.

Assim, quando o consumidor vai ao supermercado pode receber informação do que tem na despesa ou no frigorífico e qual o seu estado de conservação, de modo a gerir de forma sustentável as compras.

Esta é uma forma de ajudar a fazer compras racionais e a reduzir o desperdício, realçou Tiago Cunha Reis.

Ao deparar-se com uma situação de desperdício de alimentos por estarem deteriorados, num porto, o investigador começou a trabalhar num pequeno protótipo, falou com algumas pessoas para receber comentários sobre as tecnologias, e com produtores de vinho, ovos ou lacticínios e desenvolveu um produto em função das "especificações dos potenciais clientes".

Assim foi desenvolvido o produto que "já está completamente construído" e está prevista a entrada no mercado ainda em dezembro.

Este projeto, através da Mater Dynamics, entidade criada para trabalhar o produto, foi distinguida na semana passada, na 4ª edição do projeto de empreendedorismo do Expresso e da EDP ao receber um prémio de 20 mil euros.

  • Novo Banco vai reestruturar dívida de Luís Filipe Vieira
    1:22

    Desporto

    O Novo Banco vai reestruturar parte da dívida da empresa de Luís Filipe Vieira, que ronda os 400 milhões de euros. Parte dos ativos da empresa foram transferidos para um fundo para serem rentabilizados no prazo de cinco anos. Esse fundo está a ser gerido pelo vice-presidente do Benfica.

  • Dono de fábrica que ardeu na Anadia diz que produção não vai ser afetada
    2:04
  • Saco azul do BES pagou a 106 pessoas e 96 avenças ocultas
    2:21

    Economia

    Pelo menos 106 pessoas receberam dinheiro da Espírito Santo Enterprises, a companhia offshore criada nas Ilhas Virgens Britânicas e que terá funcionado como um gigantesco saco azul do Grupo Espírito Santo. O jornal Expresso revelou os primeiros vinte nomes da lista, entre os quais estão Zeinal Bava, antigo CEO da PT, e Manuel Pinho, ex-ministro da economia do Governo de José Sócrates.

  • Tragédia em Vila Nova da Rainha aconteceu há uma semana
    7:18
  • Doze meses de polémicas, ameaças e promessas
    3:52