sicnot

Perfil

Mundo

Popularidade de François Hollande subiu 22% após os ataques

A popularidade do Presidente francês, François Hollande, aumentou 22% após os atentados de 13 de novembro em Paris, chegando a 50%, revela um inquérito hoje divulgado pelo organismo Ifop/Fiducial.

(arquivo)

(arquivo)

© Stephane Mahe / Reuters

Este é o melhor resultado para o Presidente socialista desde 2012, ano da sua eleição.

O índice de popularidade de Hollande, que tinha caído devido ao aumento do desemprego, já havia subido 21 pontos percentuais em janeiro, na sequência dos atentados às instalações da publicação satírica Charlie Hebdo.

"Pela segunda vez este ano, verificou-se um aumento acentuado na popularidade do Presidente", disse Frederic Dabi, director geral adjunto do Ifop.

Ainda segundo o inquérito, 62% dos franceses consideram que o presidente francês "representa bem os interesses da França no exterior" e 38% consideram que ele está "próximo das preocupações dos franceses", mas apenas 28% desejam que ele seja reeleito em 2017.

O resultado surge a cinco dias da primeira volta das eleições regionais, último teste eleitoral antes das presidenciais.

De acordo com a sondagem, o partido de extrema-direita Frente Nacional está numa posição de força para abordar as eleições e pode ganhar, pela primeira vez, pelo menos duas regiões.

O inquérito foi realizado por telefone na sexta-feira e no sábado passados, a uma amostra de 983 pessoas representativas da população francesa com idade igual ou superior a 18 anos.

Lusa

  • Caravana com cinzas de Fidel chega este sábado a Santiago de Cuba
    2:01
  • Obama diz que Guterres "tem uma reputação extraordinária"
    1:38

    Mundo

    António Guterres diz que vai trabalhar com Barack Obama e também com Donald Trump, na reforma das Nações Unidas. O futuro secretário-geral da ONU foi recebido por Obama, na Casa Branca, onde recebeu vários elogios do presidente norte-americano.

  • Morreu o palhaço que fazia rir as crianças de Alepo

    Mundo

    Anas al-Basha, mais conhecido como o Palhaço de Alepo, morreu esta terça-feira durante um bombardeamento aéreo na zona dominada pelos rebeldes. O funcionário público mascarava-se de palhaço para ajudar a trazer algum conforto e alegria às crianças sírias, que vivem no meio de uma guerra civil.