sicnot

Perfil

Mundo

Dinamarca rejeita em referendo maior cooperação com a UE na justiça e segurança

A Dinamarca recusou esta quinta-feira, em referendo, reforçar a cooperação política nos setores da Justiça e Segurança da União Europeia, com o "não" a vencer com 53,3% dos votos.

(Arquivo)

(Arquivo)

Matt Dunham / AP

Segundo os primeiros resultados provisórios e quando estão contados 78,3% dos votos, o "não" obteve 53,3% e o "sim" 46,7%.

Os dinamarqueses já tinham recusado em 1992 o tratado de Maastricht, mas aprovaram um ano depois uma versão alternativa, com exceções na política comum em quatro áreas, nomeadamente união monetária e económica, defesa, cooperação policial e jurídica.

O referendo hoje realizado foi convocado em agosto passado pelo primeiro-ministro dinamarquês, o liberal Lars Lokke Rasmussen, pouco depois de assumir o cargo, obedecendo a um acordo assinado na anterior legislatura entre vários partidos.

Os defensores do "sim" argumentam que a Dinamarca se arrisca a ter que abandonar a Agência de Polícia Europeia (Interpol) se mantiver as exceções, enquanto os apoiantes do "não" consideraram que poderá continuar com um acordo paralelo.

Este é o sétimo referendo realizado na Dinamarca desde a sua entrada em 1972 para a Comunidade Económica Europeia.

Lusa

  • Ministro "mais descansado" com relatório sobre Almaraz, ambientalistas contestam
    2:01

    País

    O ministro do Ambiente diz estar mais descansado depois de conhecer o relatório técnico que considera o armazém de resíduos nucleares em Almaraz uma solução adequada. Já as associações ambientalistas e os partidos criticam o parecer positivo à construção e querem ouvir os ministros do Ambiente e dos Negócios Estrangeiros no Parlamento.

  • Marcelo recebido por multidão na Ovibeja
    2:52
  • Líderes europeus unidos para iniciar saída do Reino Unido
    2:08
  • 100 dias de Trump em 04'30''
    4:33

    Pequenas grandes histórias

    Donald Trump tomou posse como 45º Presidente dos EUA dia 20 de janeiro de 2017, faz este sábado, 100 dias. Prometeu grandes mudanças, mas os planos acabaram por chocar de frente com a realidade e a burocracia de Washington, como foi o caso do Obamacare. Foi a primeira ordem executiva que assinou, no dia em que tomou posse, mas a revogação está longe de acontecer.