sicnot

Perfil

Mundo

Autores de tiroteio de San Bernardino não pertenciam a célula terrorista

O diretor do FBI, James Comey, assegurou esta sexta-feira "não existirem indicações" de que os presumíveis autores do tiroteio de quarta-feira em San Bernardino, na Califórnia, no qual morreram 14 pessoas, pertençam a uma célula terrorista mais ampla.

Catorze pessoas morreram e 21 outras ficaram feridas, a 2 de dezembro, no ataque ao Centro Regional Inland, na localidade de San Bernardino

Catorze pessoas morreram e 21 outras ficaram feridas, a 2 de dezembro, no ataque ao Centro Regional Inland, na localidade de San Bernardino

© Mike Blake / Reuters

"Até agora, não temos nenhum indício de que estes assassinos integrem um grupo organizado de maiores dimensões ou sejam parte de uma célula. Não há nenhuma indicação de que sejam parte de uma rede", declarou James Comey numa conferência de imprensa em Washington.

Não obstante, o responsável da polícia federal norte-americana, que falou aos jornalistas acompanhado da procuradora-geral dos Estados Unidos, Loretta Lynch, confirmou que há indícios de que estavam em processo de "radicalização", podendo os seus atos ter sido inspirados por grupos terroristas estrangeiros.

Horas antes, o diretor-assistente do FBI em Los Angeles, David Bowdich, informara que o tiroteio, que também causou 21 feridos, estava a ser investigado como "um ato de terrorismo".

Comey esclareceu ainda a hipótese de um dos suspeitos ter contactado pessoas investigadas pelo FBI, assegurando: "não houve contactos entre os assassinos e suspeitos que estão a ser investigados que justificassem que os colocássemos sob o nosso radar".

O responsável do FBI confirmou que, nos dias anteriores ao tiroteio, os presumíveis autores, Syed Farook e a sua esposa, Tashfeen Malik, apagaram informação dos seus dispositivos eletrónicos, pelo que consideram que o tiroteio foi premeditado e planeado.

Lusa

  • Bataglia deixou passar 12 milhões pela sua conta a pedido de Salgado
    2:05

    Operação Marquês

    O presidente da Escom e arguido na Operação Marquês Helder Bataglia terá admitido que Ricardo Salgado utilizou uma conta bancária do empresário, na Suíça, para passar 12 milhões de euros a Carlos Santos Silva, amigo de José Sócrates. O amigo de Sócrates e Bataglia terão combinado várias formas de não levantar suspeitas. A notícia é avançada pelo jornal Expresso na edição deste sábado.

  • Cágado tratado com implante impresso em 3D
    2:26
  • Patrões não aceitam alterações ao acordo de concertação social
    2:25

    Economia

    As confederações patronais foram esta sexta-feira ao Palácio de Belém dizer ao Presidente da República que não aceitam que o Parlamento faça alterações ao acordo de concertação social. Os patrões dizem ainda ter esperança que o Parlamento não chumbe o decreto-lei que reduz a TSU das empresas com salários mínimos.