sicnot

Perfil

Mundo

Mensagens de texto levam Bélgica a elevar o nível de alerta terrorista em novembro

Mensagens de texto estiveram na origem da decisão do Governo da Bélgica de elevar ao nível máximo (4) o alerta terrorista na região de Bruxelas, revelou hoje o jornal belga Dernière Heure. De acordo com o jornal, estas mensagens referiam um ataque iminente ao metro da capital belga, Bruxelas.

(arquivo)

(arquivo)

© Yves Herman / Reuters

Na madrugada de sexta-feira para sábado, 21 de novembro, o Governo federal belga decidiu elevar o nível de alerta por ameaça terrorista "séria e iminente".

Em poucas horas, o Centro de Crise da Bélgica recomendou às autoridades que cancelassem os jogos de futebol da primeira e segunda ligas, que suspendessem os grandes eventos públicos, encerrassem os comércios e museus, anulassem concertos e interrompessem as linhas de metro em Bruxelas, entre outras medidas.

De acordo com o jornal, na origem desta decisão esteve uma primeira mensagem de texto, enviada aos serviços da polícia, em que advertia sobre um atentado iminente no metro da capital.

Além disso, os serviços de inteligência belgas intercetaram no domingo, 22 de novembro, outra mensagem que dizia: "Vão-nos apanhar. Temos que fazer antes de amanhã". Um texto curto que alegadamente foi trocado entre dois suspeitos de terrorismo.

Isto aconteceu no dia em que o primeiro-ministro belga, Charles Michel, decretou o encerramento dos colégios e universidades em Bruxelas e decidiu manter fechadas as estações de metro.

Michel referiu, naquele dia, aos meios de comunicação a possibilidade de ocorrer um "atentado como o de Paris" do dia 13 de novembro, no qual morreram 130 pessoas e que deixou outra centena de feridos.

Lusa

  • As zonas de guerra que o fogo deixou
    3:13

    País

    A chuva finalmente ajudou na luta contra as chamas e o que fica agora é um cenário de devastação no norte e centro do país. Morreram 37 pessoas, arderam centenas de casas e empresas e há críticas severas à falta de meios.

  • CDS avança com moção de censura ao Governo

    País

    A líder do CDS anunciou hoje que o partido vai apresentar uma moção de censura ao Governo, na sequência dos incêndios que fizeram 37 mortos desde domingo, quatro meses depois da tragédia de Pedrógão Grande. Para Assunção Cristas, o executivo falhou em "cumprir a função mais básica do Estado: proteger as pessoas".

  • O mapa das vítimas dos incêndios
    1:19

    País

    Aumentou para 37 o número de mortes na sequência dos fogos que assolaram a zona Centro do país desde o fim de semana. Feridos são pelo menos 71. Atualizamos aqui o mapa, segundo o último balanço da Proteção Civil.

  • Visto do céu, Portugal é um país que se vestiu de negro
    3:28
  • Homem morreu ao tentar salvar animais das chamas
    2:30
  • "Estou a ficar sem água, vai ser um trabalho inglório"
    1:06
  • Há uma semana que as florestas ardem na Califórnia
    1:34