sicnot

Perfil

Mundo

Nove polícias egípcios presos por espancarem homem até à morte

Nove polícias foram presos na investigação sobre a morte de um homem espancado numa esquadra de Luxor, no sul do Egito, um país onde as autoridades são regularmente acusadas de abusos, disseram hoje fontes judiciárias citadas pela AFP.

© Amr Dalsh / Reuters


Entre os polícias presos, quatro são oficiais e cinco são agentes, todos eles suspeitos de terem participado ou terem espancado mortalmente, a 26 de novembro, um homem de 47 anos preso por razões desconhecidas num café na cidade de Luxor, conhecida pelos seus tesouros do antigo Egito.

As prisões ocorreram após o relatório dos peritos forenses que garantem que a vítima foi espancada de tal maneira no pescoço e nas costas que acabou por partir a espinha, noticiou a agência de notícias egípcia MENA.

No total, três tenentes, um capitão e cinco polícias foram colocados sob custódia, pelo menos quatro dias, por suspeita de "morte por espancamento e atos cruéis", disse à AFP uma fonte judiciária.

As prisões ocorreram três dias depois de o presidente Abdel Fattah al-Sissi ter advertido que "qualquer autoridade que cometer excessos será responsabilizada".

No final de novembro, o Ministério do Interior já havia prometido que o Estado iria exercer justiça "sem complacência" para com os polícias acusados de abusos.

No Egito, a polícia, mas também os serviços de inteligência, são frequentemente acusados pelas organizações de defesa dos direitos humanos de abuso, tortura ou de matar os detidos.

A revolta popular de janeiro de 2011, que aconteceu quando o presidente Hosni Mubarak estava no poder e na tradição da primavera árabe, surgiu quando circulou uma página no Facebook com o nome "Somos todos Khaled Said".

Este era o nome de um jovem egípcio preso num 'cyber-café' em Alexandria em junho de 2010 e que, em seguida, foi torturado até a morte pela polícia.

Para os manifestantes de Tahrir Square, as brutalidades da polícia tinham-se tornado um símbolo do regime de Mubarak.

  • Passos explica porque se sentiu irritado com Costa
    0:42

    Economia

    Depois das imagens em que surgiu visivelmente irritado com António Costa, no último debate quinzenal, Passos Coelho veio agora explicar porquê. Na discussão com o primeiro-ministro, o líder do PSD não gostou que Costa tivesse insinuado que a fuga de 10 mil milhões de euros para offshores tenha ocorrido por inação do Governo anterior.

  • Ferro Rodrigues desvaloriza críticas do CDS
    3:24

    Caso CGD

    Marcelo Rebelo de Sousa fez questão de receber em público Ferro Rodrigues antes de um almoço com o Presidente da Assembleia da República. O Presidente também recebeu a representante do CDS-PP, Assunção Cristas, que foi apresentar queixa de Ferro Rodrigues e da maioria de esqueda em relação à comissão de inquérito da Caixa Geral de Depósitos. Ferro Rodrigues desvalorizou as críticas de que foi alvo.

  • Regime de Pyongyang nega envolvimento na morte de Kim Jong-nam 
    1:53

    Mundo

    A polícia da Malásia diz que o irmão do líder da Coreia do Norte foi morto com uma arma química. Os investigadores encontraram vestígios de gás VX no corpo de Kim Jong-nam, um gás letal proibido pelas convenções internacionais. O Governo da Coreia do Sul pediu esta sexta-feira ao regime de Pyongyang que admita que está por detrás da morte de Kim Jong-nam mas o mesmo já veio negar o envolvimento no assassinato.